Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Justa causa

Unicamp demite professor acusado de agredir e ameaçar estudantes

Isabela Palhares - Folhapress
02 abr 2024 às 17:27
- Reprodução/Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) demitiu um professor acusado de agredir e ameaçar alunos com uma faca em outubro de 2023, durante uma paralisação estudantil.


A demissão foi publicada pela universidade no Diário Oficial de segunda-feira (1º). A portaria diz que Rafael de Freitas Leão, professor do IMECC (Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica), cometeu falta disciplinar gravíssima.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O docente estava afastado do cargo desde 4 de outubro, dia seguinte ao que foi detido pela Polícia Militar dentro do campus da Unicamp. A Folha tentou contato com Leão na manhã desta terça (2), mas não obteve resposta.

Leia mais:

Imagem de destaque
20 vagas disponíveis

Secretaria da Mulher abre vagas para curso de recepcionista em Marketing Profissional em Londrina

Imagem de destaque
Prova dia 5 de maio

Saiba o que o candidato pode e não pode levar no dia do Concurso Unificado

Imagem de destaque
Prestigie.

Via Rural da ExpoLondrina é um espaço educativo e divertido sobre insetos

Imagem de destaque
No Brasil

Uso de canabidiol para tratar dependência de crack é melhor do que remédios convencionais, diz estudo


Segundo a Unicamp, a demissão é prevista no estatuto da universidade em casos em que o servidor "praticar atos definidos como infração pelas leis penais", "manter má conduta" e/ou "praticar atos de violência de qualquer tipo".

Publicidade


"A reitoria da Unicamp esclarece que a decisão foi tomada com base no relatório final da Comissão Processante Permanente que analisou o caso, referendado posteriormente pela Procuradoria Geral da Universidade. O processo transcorreu conforme determinam as regras internas da universidade, garantindo ao docente todas as possibilidades de exercer a sua ampla defesa", diz nota da reitoria.


O caso aconteceu na manhã de 3 de outubro do ano passado, quando Leão foi detido sob suspeita de ameaçar dois estudantes com faca e spray de pimenta.

Publicidade


Imagem
UBS do Cafezal em Londrina entra em reforma a um custo de R$ 500 mil
A Prefeitura de Londrina iniciou as obras de reforma da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Cafezal, localizada na Rua Abraham Lincoln, 65. Por conta da reforma, a unidade está fechada para atendimento ao público e os serviços foram realocados.


O docente teria ameaçado os alunos depois que eles entraram em sua sala de aula para dizer que o DCE (Diretório Central dos Estudantes) havia decidido por uma paralisação das atividades naquele dia. O professor, então, sacou a faca e passou a ameaçar os alunos.


Em um vídeo gravado por outros estudantes, é possível ver o momento em que o professor sai correndo por um corredor com a faca em mãos em direção a um dos alunos. O jovem entra em confronto com o docente para desarmá-lo, e só então dois seguranças da universidade aparecem para conter o docente.

Publicidade


Leão foi detido por policiais militares após o incidente e levado para uma delegacia.


Às autoridades policiais o professor relatou que, ao chegar à universidade, foi impedido de dar aula por um grupo de alunos. "O professor foi derrubado no chão e usou um spray de pimenta e uma faca para se defender", dizia o boletim de ocorrência.

Publicidade


O registro policial colocou o professor Rafael de Freitas Leão como vítima. O caso foi registrado como lesão corporal e incitação ao crime.


Em entrevista à Folha o reitor Antonio José Meirelles disse que a Unicamp viveu um dos dias mais tristes de sua história com o incidente.

Publicidade


"Foram posturas não democráticas dos dois lados que estavam nessa disputa. Não é possível um professor vir para a universidade com um spray de pimenta e uma faca. Isso é inadmissível. Assim como é inadmissível alunos ou pessoas de fora impedirem a realização de atividades", disse Meirelles.


Na ocasião, estudantes de ao menos 23 cursos da Unicamp haviam aprovado a paralisação, em apoio aos protestos contra a privatização de órgão estaduais e contra a situação das universidades paulistas.


Assim como na greve da USP, os estudantes da Unicamp reivindicavam a contratação de docentes e funcionários. Eles também pediam melhorias na infraestrutura da universidade, já que alguns cursos estariam funcionando em prédios com estrutura precária.


Reivindicavam ainda a ampliação de políticas de permanência estudantil, com o reajuste dos valores de bolsa e a construção de moradia estudantil nos campi de Limeira e Piracicaba.


Imagem
Diagnóstico precoce de autismo é mais difícil em meninas; conheça os sinais do transtorno
O diagnóstico precoce do autismo costuma ser mais difícil em mulheres do que nos homens
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade