Pesquisar

Canais

Serviços

- UEM
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Resultado sai em setembro!

Vestibular dos Povos Indígenas do Paraná reúne 550 candidatos

Redação Bonde com AEN
19 jul 2021 às 16:59
Continua depois da publicidade

Cerca de 550 estudantes indígenas de diferentes etnias participaram no domingo, 18, e nesta segunda-feira, 19, das provas do 20º Vestibular dos Povos Indígenas do Paraná. Eles concorrem a vagas nas sete universidades estaduais do Paraná (UEL, UEM, UEPG, Unicentro, Unioeste, Uenp e Unespar) e na UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Continua depois da publicidade


Nas universidades estaduais são ofertadas 42 vagas suplementares, sendo seis para cada instituição, destinadas exclusivamente para pessoas integrantes das sociedades indígenas do Paraná. A UFPR oferta 10 vagas suplementares nos cursos de graduação para os que são integrantes das sociedades indígenas do Brasil.

Continua depois da publicidade


Nesta edição, a aplicação das provas ocorreu nas cidades de Manoel Ribas, Nova Laranjeiras, Mangueirinha, Londrina e Curitiba, seguindo os protocolos sanitários de prevenção à Covid-19. O resultado está previsto para o dia 1º de setembro.


O Governo do Estado, por meio da Seti (Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) financia o processo seletivo. Em 2021 foram investidos R$ 380 mil na organização e execução das provas.

Continua depois da publicidade


"O vestibular indígena é uma política pioneira no Brasil de transformação social na vida dos estudantes, possibilitando o ingresso em cursos de graduação que são referência no Brasil”, afirma o coordenador de Ciência e Tecnologia da Seti, Marcos Pelegrina.


No primeiro dia foi realizada prova oral sobre Língua Portuguesa e, no segundo dia, redação e prova objetiva com questões de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira ou Indígena, Biologia, Física, Geografia, História, Matemática e Química. Nesta edição, a Uenp (Universidade Estadual do Norte do Paraná) é a instituição encarregada da aplicação das provas.


"A expectativa para a realização do processo é significativa, já que se trata de relevante meio de entrada dos estudantes indígenas no ensino superior público e de qualidade, sendo um processo consolidado e de imenso reconhecimento no Brasil", ressaltou o Coordenador de Processos Seletivos da Uenp, Pedro Henrique Carnevalli Fernandes.


O Paraná é o único estado brasileiro que possui o vestibular indígena como política estadual. Atualmente, cerca de 200 estudantes indígenas estão matriculados em cursos de graduação e de pós-graduação. O número de participantes aumentou em mais de 1000% desde que foi criado o vestibular, em 2002.

Para o professor da Unioeste e presidente da Cuia (Comissão Universidade para Índios), Marco Antonio Batista Carvalho, o envolvimento das universidades no processo de seleção é uma das formas de valorizar os povos indígenas. "O vestibular tem o poder de mobilizar as aldeias e os estudantes que buscam a possiblidade de ingressar em um curso de graduação. Mesmo ocorrendo na pandemia, tivemos uma boa procura em relação às vagas”.


Continue lendo