Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Decisão polêmica

Professor foi deixado de lado no processo educacional, diz especialista sobre uso do ChatGPT em SP

Isabela Palhares - Folhapress
18 abr 2024 às 12:45
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A decisão do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) de usar inteligência artificial para produzir aulas digitais no lugar de professores foi criticada por especialistas em educação e denunciada por políticos de oposição para o Ministério Público.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Norte Pioneiro

UENP cria Curso de Tecnologia em Fruticultura

Imagem de destaque
Destaque para Sul e Sudeste

Veja os melhores e os piores municípios brasileiros em alfabetização, segundo o Censo 2022

Imagem de destaque
Londrina está em 14º no PR

Apesar da redução na taxa de analfabetismo, Paraná tem o pior índice no Sul do País

Imagem de destaque
Dados do IBGE

Taxa de alfabetização cresce mais no Nordeste, mas ainda é a menor do Brasil

Eles afirmam que o uso da ferramenta ChatGPT para produzir material didático afronta a autonomia pedagógica dos professores e coloca em risco a qualidade do ensino paulista, já que não há regulamentação ou comprovação da eficácia da utilização de inteligência artificial para esse fim.

Publicidade

A Folha de S. Paulo mostrou que a Secretaria de Educação, comandada por Renato Feder, decidiu que as aulas não serão mais feitas por professores curriculistas, especialistas na elaboração desse tipo de conteúdo. Esses docentes terão agora a função de avaliar as aulas geradas por inteligência artificial e realizar os ajustes necessários.


"Não é uma questão de preconceito com as ferramentas de inteligência artificial, mas de entender qual é a sua finalidade. Elas podem auxiliar em trabalhos mais objetivos. Mas não são adequadas para produções que exigem pesquisa, experiência, curadoria, conhecimento, como é o caso de uma aula", diz Bernardo Soares, pesquisador em educação e tecnologia pela Universidade de Lisboa.

Publicidade


Nesta quarta-feira (17), o governador defendeu o uso do ChatGPT e disse que "não pode deixar de usar a tecnologia por preconceito". E afirmou que nada vai substituir o papel do professor em sala de aula.


Publicidade

Para Soares, a medida pode até não substituir o docente pela inteligência artificial, mas retira do professor a função de elaborar o que vai ensinar.


"Os professores elaboram a aula não só porque sabem determinado conteúdo, mas porque sabem a melhor forma de ensinar, de conduzir, e conhecem as necessidades dos estudantes. Uma ferramenta de inteligência artificial não tem esse domínio porque elas não foram feitas para isso", diz o pesquisador.

Publicidade


Desde que Tarcísio assumiu o governo de São Paulo, uma série de medidas de digitalização do ensino foram adotadas. Além das aulas digitais, as escolas passaram a ter que usar aplicativos para correção de redação e lição de casa e até para a chamada de presença.


Imagem
Lei aprovada na Alep livra membros do MPPR de processo por infrações leves
A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou nesta semana um projeto de lei complementar que permite ao MPPR firmar acordos de não persecução com membros da instituição que cometam infrações disciplinares de menor potencial ofensivo.


"É aplicativo para tudo, como se isso fosse a solução para os problemas educacionais. O professor cada vez mais está sendo deixado de lado no processo educativo. E cada vez mais as tecnologias avançam para as funções que eles exerciam como se esse fosse o caminho para melhorar a educação", diz Soares.

Publicidade


Em nota, a Secretaria de Educação disse que o processo de fluxo editorial com o uso do ChatGPT "ainda será testado e passará por todas as etapas de validação para que seja avaliada a possível implementação".
Embora a pasta afirme que o processo ainda está em teste, os professores curriculistas já receberam as orientações sobre como devem trabalhar nas próximas semanas.


Segundo a secretaria, a ferramenta vai aprimorar as aulas produzidas anteriormente pelos docentes. "Com a inserção de novas propostas de atividades, exemplos de aplicação prática do conhecimento e informações adicionais que enriqueçam as explicações de conceitos-chave de cada aula."

Publicidade


"Na sequência, esse conteúdo será avaliado e editado por professores curriculistas em duas etapas diferentes, além de passar por revisão de direitos autorais e intervenções de design. Por fim, se essa aula estiver de acordo com os padrões pedagógicos, será disponibilizada como versão atualizada das aulas feitas em 2023", diz a nota.


Para Márcia Jacomini, professora da Unifesp, a medida retira do professor o direito constitucional da liberdade de ensino. "O uso das aulas digitais já estava reduzindo a função do professor porque ele não tem autonomia para ensinar da forma e no ritmo que julga necessários. Agora, ele ainda vai ficar subordinado a algo feito por uma ferramenta digital."


Os especialistas destacam ainda que ferramentas de inteligência artificial utilizam informações que são encontradas na internet, o que não garante que elas sejam verdadeiras ou estejam contextualizadas.


"O ChatGPT usa as informações que são registradas com mais frequência na internet, que não necessariamente são verídicas. Como a secretaria pode confiar na ferramenta para fazer o material didático de 3,5 milhões de alunos? Como pode achar que ela é mais adequada do que um professor que se graduou para ensinar aquele conteúdo?", questiona.


Eles também destacam que o uso de ferramentas de inteligência artificial tem incorrido em diversas denúncias de plágio, o que pode gerar problemas judiciais ao governo do estado e custos ao erário com eventuais processos por direitos autorais.


Imagem
Família de 'jovem gênio' de Londrina faz campanha para participação em olimpíada de matemática em Nova Iorque
A família do adolescente Lorenzo Cruz Coneglian, de 13 anos, corre contra o tempo para levantar recursos e enviá-lo para concorrer na Olimpíada Copernicus de matemática, em Nova Iorque, no mês de julho.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade