18/01/21
PUBLICIDADE
'Perdas que compartilhamos'

Meghan Markle revela aborto espontâneo e fala sobre tabu

Reprodução / Instagram
Reprodução / Instagram


Meghan Markle, a duquesa de Sussex, 39, revelou nesta quarta (25) em um artigo escrito por ela e publicado no jornal New York Times que sofreu um aborto espontâneo em julho. Ela é casada desde 2018 com o príncipe Harry, duque de Sussex.


Definindo-se como "mãe, feminista e defensora" na assinatura do texto, Meghan conta que, em uma manhã de julho, depois de trocar as fraldas de seu filho, Archie, 1, sentiu fortes cólicas, caiu no chão com a criança no colo e ficou cantando uma música de ninar para tentar manter os dois calmos.

"Eu sabia, enquanto segurava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo", escreveu.

Meghan conta que, horas depois, estava deitada em uma cama de hospital, segurando e beijando a mão de seu marido, molhada com as lágrimas dos dois. "Imaginava como nós dois nos recuperaríamos."

No texto, intitulado "The losses we share" (As perdas que compartilhamos), ela diz que a perda de um filho carrega uma mágoa quase insuportável, vivida por muitos mas falada por poucos. E que ela e o marido descobriram que, de cada cem mulheres, de 10 a 20 terão sofrido um aborto. "Apesar de isso ser surpreendentemente comum, a conversa continua sendo um tabu."



Ela diz ainda que algumas pessoas compartilharam suas histórias de forma corajosa, sabendo que, quando uma pessoa fala a verdade, isso dá permissão para que outras façam o mesmo.

De acordo com estudos, até 20% das gestações podem evoluir para aborto antes de 20 semanas -dessas, 80% são interrompidas até a 12ª semana. O abortamento espontâneo geralmente envolve sentimentos de perda e culpa e pode trazer complicações para o sistema reprodutivo se não houver assistência médica adequada.

Segundo dados do UNA-SUS (Universidade Aberta do Sistema de Saúde Único), os principais fatores de risco para a perda são idade (o risco de aborto aumenta com o avanço da idade; pode chegar a 40% aos 40 anos e 80% aos 45 anos), antecedente de aborto espontâneo, tabagismo (tanto materno como paterno), consumo de álcool e drogas, uso de anti-inflamatórios não hormonais e pesos extremos (índice de massa corporal menor do que 18 ou maior do que 25).

ANGELINA JOLIE

A publicação do texto de Meghan no New York Times, com a intenção de trazer luz a esse assunto, lembra a do texto também escrito em primeira pessoa pela atriz Angelina Jolie, no mesmo jornal, em 2013. Na época, Jolie contou que havia realizado uma dupla mastectomia preventiva por causa de seu elevado risco de desenvolver câncer de mama.

Sua mãe havia morrido da doença aos 59 anos. "A verdade é que porto um gene 'defeituoso', o BRCA1, e isso eleva acentuadamente meu risco de desenvolver câncer de mama e câncer de ovário. Meus médicos estimaram que eu tinha risco de 87% de câncer de mama e de 50% de câncer de ovário, ainda que os riscos sejam diferentes de mulher para mulher", escreveu então.

"Em 27 de abril, concluí os três meses de procedimentos médicos que a mastectomia requeria. Ao longo do período, pude manter o sigilo sobre o que estava acontecendo e continuar com meu trabalho. Mas agora decidi escrever a respeito com a esperança de que outras mulheres possam se beneficiar de minha experiência. Câncercontinua a ser uma palavra que causa medo no coração das pessoas, produzindo um profundo senso de impotência. Mas hoje é possível determinar por meio de um exame de sangue se você é altamente suscetível a câncer de mama e câncer de ovário, e agir a respeito."

O artigo, de fato, fez com que as alterações e os testes genéticos ficassem mais conhecidos no mundo todo.

Em 2016, um estudo, publicado na revista médica britânica BMJ analisou se houve aumento no número de testes que procuram mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 depois de 14 de maio de 2013, dia da publicação do texto de Jolie.

O crescimento da procura pelos testes foi de 59% nos 15 dias posteriores. Levados em conta os meses seguintes, houve aumento de 37%.
Não houve, porém, alta no número total de retirada de mamas. Entre as mulheres que fizeram o teste depois do anúncio de Jolie, as cirurgias até diminuíram, o que para os autores do estudo pode significar que os exames foram feitos por quem não se enquadrava na população de maior risco.

Os testes que procuram essas mutações são indicados para mulheres que apresentem na família muitos casos de câncer em pessoas jovens.

A mastectomia e a retirada dos ovários não são a única solução para quem tem maior risco de desenvolver esses cânceres. Mulheres nessa situação podem optar pelo rastreamento mais frequente para o câncer de mama, intercalando a cada seis meses exames de mamografia e ressonância magnética. Também é possível optar pela quimioterapia preventiva
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Confira os looks

Anitta e Ludmilla usam tops iguais, mas com diferença de R$ 10 mil no 'look'

18 JAN 2021 às 17h28
Confira!

Turismo ferroviário: nova atração de passeio de trem no Brasil

18 JAN 2021 às 16h34
Saiba mais

Justiça dá medida protetiva a Steven Spielberg contra fã que o ameaça de morte

18 JAN 2021 às 16h10
Ranking

Kaysar e Ana Clara detêm recorde de prova mais longa no BBB desde 2018

18 JAN 2021 às 15h10
Saiba mais

Kelly Key revela que já sofreu assédio de diretor de TV

18 JAN 2021 às 14h52
Confira!

Justin Timberlake fala pela primeira vez sobre nascimento do segundo filho

18 JAN 2021 às 14h37
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados