05/08/20
25º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Indie Book Day

Ação mundial incentiva produção e consumo de livros independentes

O Brasil participa pela primeira vez neste sábado (18) do Indie Book Day, uma iniciativa mundial para incentivar a produção e circulação de livros independentes. Mais de 30 livrarias estão na promoção e elas foram convidadas a expor, neste dia, obras com mais destaque. A proposta é que leitores visitem os locais de venda, comprem esses livros e compartilhem mensagens com a hashtag #IndieBookDay nas redes sociais.

Em São Paulo, uma oportunidade para encontrar as obras independentes é o festival Plana, que ocorre no Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, coincidentemente na mesma data. Estarão reunidas mais 200 editoras. A lista dos locais que participam da ação pode ser encontrada aqui.


O primeiro Indie Book Day foi há 5 anos em Hamburgo, na Alemanha, encabeçada pela editora Mairisch. Entre 2014 e 2016, outros países – Reino Unido, Holanda, Itália e Portugal – aderiram ao convite de dedicar um dia à exaltação da publicação independente.

No Brasil, a ação foi trazida pelos editores Gustavo Faraon, da Dublinense, e João Varella, da Lote 42, depois que eles participaram da Feira do Livro de Frankfurt e conheceram os organizadores do Indie Book Day.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Mercado

Varella destaca o bom momento do mercado editorial independente no país. "É difícil apontar uma explicação para isso, mas algumas pistas talvez venham dessa questão que os independentes exploram projetos gráficos. A nova onda de editores tende a explorar a materialidade do livro. Todo mundo está consumindo muito texto na tela, no computador, no tablet. Para justificar porque este texto merece ser impresso, o livro vai dar uma experiência que só o impresso faz", disse.

O mercado editorial independente tem como característica o contato direto com o leitor por meio das feiras, sem intermediários. Mas Varella destaca que uma das propostas do Indie Book Day é também fazer um "chamado às livrarias para que elas apoiem essa movimentação".

Ele explicou ainda que o setor não trabalha com grandes investidores e não tem capital vinculado a grandes multinacionais. Além disso, a produção "é mais experimental em termos de narrativa, de temáticas, em termos de formatos", explicou o editor da Lote 42.

Varella critica a excessiva publicação de traduções no mercado editorial brasileiro. "Uma editora tradicional está muito vinculada à busca do best-seller, muita tradução", apontou. Na avaliação do editor, perde-se uma rica produção literária brasileira pela necessidade de apostar "no que já é certo". "Grandes editoras estão muito interessadas no que já foi testado e aprovado no mercado externo", finalizou.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Falou tudo
Claudia Raia revela que primeiro beijo foi com mulher
05 AGO 2020 às 10h45
Trapalhada
Câmera flagra turista quebrando dedos de estátua centenária na Itália
05 AGO 2020 às 09h39
Aluguel caro
Disney vai lançar 'Mulan' direto no streaming, mas cobrando taxa
05 AGO 2020 às 09h23
Sem alianças
Em meio a boatos sobre crise, Ivete Sangalo beija marido em live
05 AGO 2020 às 08h44
Crise
Kim Kardashian leva pastor em viagem para salvar casamento com Kanye West
05 AGO 2020 às 08h33
Stephenie Meyer
'Sol da meia-noite', continuação da Saga Crepúsculo, é lançado nesta terça
04 AGO 2020 às 19h32
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados