05/08/20
25º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Aposta

Audiolivros são nova esperança para editoras

Nos anos 1980, era comum as crianças ouvirem histórias em fitas cassete e discos de vinil. Antes disso, discos também traziam poetas declamando seus poemas. Décadas depois, no início dos anos 2000, algumas editoras brasileiras investiram em livros em CD - e isso deu menos certo que as tentativas anteriores. Pois hoje, em pleno ano de 2017, o que mais se ouve na Feira de Frankfurt é que o audiolivro está mais vivo do que nunca.

E está. A Nielsen, que monitora as vendas de livros em diversos países, chamou o momento de revolução. Andre Breet, diretor internacional da empresa, disse que as vendas crescem significativamente nos EUA e Inglaterra (lá, elas dobraram entre 2015 e 2016).


Tânia Rêgo/ Agência Brasil
Tânia Rêgo/ Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


No Brasil, duas empresas se destacam e oferecem serviços de assinatura de audiolivros: a Ubook e a Toca Livros. Ainda não é um mercado expressivo, mas, a contar pelo que vem pela frente, podemos ver que se está mesmo acreditando no negócio: há rumores de que o Google entra neste mercado em novembro - e uma hora ele chega ao Brasil. Kobo também. Já era para a Audible, da Amazon, ter começado a operar no País e, pelo que se comenta, esse dia está próximo. A alemã Bookwire, que acaba de comprar a distribuidora digital DLD, planeja para o início de 2018 a inclusão desse serviço para seus clientes - as principais editoras do País.

Criada há três anos e que em 2015 teve um aporte de investimento, a startup Ubook não vê como risco a chegada dos grandes players. Segundo Anderson Santos, gerente de aquisições, é melhor ter uma pequena participação em um grande mercado do que liderar um mercado praticamente inexistente. Isso porque, para ele, o serviço vai se tornar mais conhecido quando essas empresas estiverem no País.

Hoje, ele conta, a Ubook tem dois milhões de usuários cadastrados na América Latina e 15 mil audiolivros em três idiomas.

E quem ouve esses audiobooks? Entre os brasileiros, 40% têm entre 25 e 34 anos; 27%, de 35 a 44; 15%, entre 18 e 24; 10%, entre 45 e 54; 4%, entre 55 e 64 e 2% acima de 65 anos. A maioria (67%) é homem. E o tempo médio é de 6h12 por mês - um livro de 250 páginas equivale a aproximadamente 6 horas. A maioria lê das 17h30 às 20 h. Já entre os britânicos, o perfil não é o mesmo do leitor de livros impressos e digitais: a maioria é homem, jovem e não é um leitor contumaz. Lê-se mais a caminho de algum lugar (31%), mas também no tempo livre em casa (19%) e antes de dormir (19%). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Agência Estado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Falou tudo
Claudia Raia revela que primeiro beijo foi com mulher
05 AGO 2020 às 10h45
Trapalhada
Câmera flagra turista quebrando dedos de estátua centenária na Itália
05 AGO 2020 às 09h39
Aluguel caro
Disney vai lançar 'Mulan' direto no streaming, mas cobrando taxa
05 AGO 2020 às 09h23
Sem alianças
Em meio a boatos sobre crise, Ivete Sangalo beija marido em live
05 AGO 2020 às 08h44
Crise
Kim Kardashian leva pastor em viagem para salvar casamento com Kanye West
05 AGO 2020 às 08h33
Stephenie Meyer
'Sol da meia-noite', continuação da Saga Crepúsculo, é lançado nesta terça
04 AGO 2020 às 19h32
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados