Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Lançamento

Livro conta a trajetória do árbitro londrinense Afonso Vítor de Oliveira

Lucio Flávio Cruz - Grupo Folha
18 ago 2022 às 09:49
- Gustavo Carneiro/Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um dos maiores árbitros da história do futebol paranaense, o londrinense Afonso Vitor de Oliveira ganha uma biografia nesta quinta-feira (18), quando será lançado o livro "Um apito, uma vida - Histórias de um árbitro de futebol". O lançamento será às 19h, no Catuaí Shopping. 


A biografia conta "causos" que aconteceram ao longo dos 25 anos de carreira do árbitro, que nacionalizou e expandiu as fronteiras da arbitragem do Paraná. O livro foi idealizado pelo narrador esportivo Julio Oliveira, filho de Afonso, com textos dos jornalistas Thiago Mossini e Wilhan Santin. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"O futebol hoje é muito diferente. As regras são as mesmas, mas a forma de jogar é outra. O futebol hoje é muito rápido e o olho não acompanha mais, não alcança. Para mim era mais fácil apitar no passado, apesar do VAR hoje", aponta Afonso Vítor de Oliveira, que dirigiu 547 jogos na carreira e é o árbitro que mais apitou Atletibas na história: 27 vezes. Quis o destino, no entanto, que apitasse somente seis vezes confrontos envolvendo o Londrina. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Desafios da puberdade

Psicóloga ajuda adolescentes a refletirem sobre as consequências da autonomia em livro 'Escolhas e Consequências'

Imagem de destaque
Homenagem

Conheça James Baldwin, escritor e ativista estadunidense homenageado pelo Google

Imagem de destaque
"Qual é o sentido da vida?"

Confira cinco resoluções de Ano Novo de quem já viveu 100 anos

Imagem de destaque
Memórias ficcionais

Publicitária londrinense lança seu primeiro romance nesta sexta


Afonso Vítor desafiou os padrões da época e começou a apitar somente aos 29 anos, mas ultrapassou os limites do tempo e apitou em alto nível até os 53 anos. Pendurou o apito em 1995 e seu último jogo foi um clássico entre Atlético e Coritiba. "Joguei na base do Londrina e tive convite para me profissionalizar no São Paulo de Londrina. Meu pai não deixou e me disse o seguinte: nada feito. Vai trabalhar. Futebol é coisa de malandro", relembra. "Me tornei contador e joguei no amador até os 28 anos, quando surgiu a loucura de ser árbitro. E decidi ser árbitro de futebol profissional e corri atrás. Dois anos após me formar, apitei meu primeiro Atletiba". 


Saiba mais na Folha de Londrina.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade