21/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Turma da Mônica

Mauricio de Sousa vai autografar nova revista sobre distrofia de Duchenne

O Dia Mundial da Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é celebrado em todo 7 de setembro e, para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções vai lançar no domingo (8) a terceira edição da revista que fala sobre a doença. O evento ocorre na 19ª Bienal Internacional do Livro do Rio e Mauricio de Sousa estará presente para autografar os materiais que serão distribuídos gratuitamente.

Divulgação
Divulgação


A primeira revista, lançada em março, mostrou a chegada do personagem Edu, de nove anos, à escola onde os personagens do bairro do Limoeiro estudam. O menino convive com DMD e os novos amigos tiveram de aprender sobre sua condição.

Na segunda revista, lançada em agosto, Edu fala de seus medos de tomar remédios e usar cadeira de rodas no futuro, uma vez que a doença rara e genética é caracterizada pela deterioração muscular progressiva.

Neste novo material, a mãe de Edu faz uma palestra sobre DMD em uma associação de pacientes e, na escola, as crianças participam de uma mostra cultural. Na ocasião, Mônica expressa quão importante é ter o recém-aluno como seu amigo.

No próximo domingo, a partir das 11 horas, a revista será distribuída gratuitamente no estande da MSP 60 anos, no pavilhão laranja, com sessão de autógrafos do cartunista Mauricio de Sousa.

Sobre a distrofia muscular de Duchenne

A DMD é uma das milhares de doenças raras que existem no mundo, sendo que a estimativa é de seis a oito mil tipos. De origem genética, ela afeta principalmente meninos e é a distrofia muscular mais frequente na infância.

Alguns sinais básicos que podem indicar a doença são atraso no desenvolvimento motor, não andar entre 16 e 18 meses, atraso da fala e hipertrofia de panturrilha. Essa última característica, inclusive, é perceptível nos quadrinhos da Turma da Mônica.

Outra indicação de DMD que pode ser verificada em casa, na escola ou no consultório é o sinal de Gowers, manobra em que a criança usa as mãos para "escalar" o próprio corpo a partir de uma posição agachada, porque não tem força muscular no quadril e nas coxas.

Além dos sinais clínicos, é importante solicitar um exame de sangue para analisar os níveis de CK, enzima que é liberada no sangue quando os músculos estão danificados. Taxas extremamente altas, acima de dois mil, indicam distrofia.
Agência Estado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Programe-se!

Confira o que abre e fecha no Carnaval em Londrina

Veja mais e a capa do canal