Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Reformulação

Brasil estreia na Copa América em busca de nova identidade

Lucas Bombana - Folhapress
24 jun 2024 às 12:00
- Rafael Ribeiro/CBF
Publicidade
Publicidade

A seleção brasileira faz sua estreia na Copa América contra a Costa Rica pela primeira rodada da fase de grupos nesta segunda-feira (24), às 22h (horário de Brasília), em um momento de reformulação.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Alívio

Como foi a maratona caótica de 1 mês do Corinthians até finalmente sair do Z4

Imagem de destaque
Passou Abel

Veja o que Zubeldía, do São Paulo, fez para se tornar o rei dos cartões

Imagem de destaque
Novo manto

Real Madrid lança uniforme laranja em campanha estrelada por brasileiros

Imagem de destaque
Entenda

Palmeiras ganhou mais de R$ 120 mi com Estêvão após bater o pé por multa

Jogadores que exerceram o papel de líderes nos últimos anos não estão presentes para a disputa do torneio nos Estados Unidos, com novas lideranças ajudando na adaptação de jovens que começam a ganhar espaço pelo bom trabalho em seus clubes na Europa.

Publicidade


Sem Neymar e Casemiro, fora por lesão e decisão da comissão técnica, respectivamente, o lateral-direito Danilo será o capitão da equipe pela primeira vez em uma competição oficial.


O jogador da Juventus assume, ao lado do zagueiro Marquinhos, do PSG (Paris Saint-Germain), o posto de um dos mais experientes do grupo que vai em busca do 10º título da Copa América para o Brasil.

Publicidade


"Já vivenciei alguns ciclos na minha carreira e a gente sabe que o tempo passa e as coisas vão mudando, jogadores vão, jogadores vêm, principalmente em grandes clubes e grandes seleções, onde é muito difícil se manter", afirmou Marquinhos nos Estados Unidos.


O defensor acrescentou que, se antes trabalhava com jogadores que serviam como inspiração, como Thiago Silva, Miranda e David Luiz, hoje é ele quem exerce esse mesmo papel junto aos mais jovens, como o zagueiro Beraldo, de 20 anos, e o atacante Endrick, de 17.

Publicidade


"Sei do meu papel, tento trazer para a seleção formas de ajudar esses meninos que estão chegando", afirmou Marquinhos. "É um novo treinador, um novo ciclo, uma nova identidade que estamos tentando criar."
Até aqui, foram apenas quatro jogos de Dorival Júnior à frente da seleção, com dois empates –contra Espanha e Estados Unidos– e duas vitórias –contra Inglaterra e México.


Apesar de ainda ter se passado pouco tempo desde que assumiu para imprimir a marca de um novo trabalho, algumas mudanças já puderam ser identificadas.

Publicidade


Uma delas é a presença de Beraldo como um dos homens de confiança na defesa, jogador com quem o técnico já havia trabalhado no São Paulo e que foi titular em três dos quatro jogos. O zagueiro não começou apenas contra o México, quando o técnico optou por uma escalação com reservas.


"Não é em uma convocação que vamos aprender todos os ensinamentos do Dorival. Eu e o Rafael [goleiro do São Paulo] podemos saber um pouco mais porque trabalhamos um ano inteiro com ele, então a gente sabe mais o que ele quer e muitas vezes podemos até ajudar os outros companheiros", afirmou Beraldo.

Publicidade


Nomes no meio de campo que não tiveram tantas oportunidades com Fernando Diniz, como Douglas Luiz, João Gomes e Andreas Pereira, também ganharam espaço no time de Dorival, assim como o atacante Endrick, que aproveitou bem os minutos entrando no time e já pede passagem entre os titulares.


No último teste antes da Copa América, no entanto, Endrick seguiu no banco, com Raphinha, do Barcelona, na formação inicial no amistoso contra os Estados Unidos. O treinador afirmou que tem a preocupação de preservar o atacante formado na base do Palmeiras, sob o risco de queimar etapas e prejudicar seu desenvolvimento.

Publicidade


Dorival reconheceu que a seleção ainda passa por um processo de montagem e disse que vem "tentando acelerar ao máximo possível para que rapidamente possamos encontrar uma equipe, um padrão de jogo definido e, a partir desse padrão, deixarmos os jogadores desenvolverem suas habilidades individuais."
Ele afirmou que o objetivo é encontrar durante a competição "uma equipe que nos dê confiança" e que segue atento em busca da formação ideal.


Para o confronto contra a Costa Rica, os jogadores terão pela frente um adversário que é freguês do Brasil. Em 11 jogos, foram dez vitórias da seleção brasileira e apenas uma da costa-riquenha, em 1960. O último confronto foi na Copa de 2018, com vitória do Brasil por 2 a 0, gols de Philippe Coutinho e Neymar.


A primeira partida da seleção será no SoFi Stadium, em Los Angeles. Globo (TV aberta), SporTV (TV fechada) e Globoplay (streaming) transmitem o jogo.


Na sequência, o time embarca para Las Vegas, onde encara o Paraguai no Allegiant Stadium, no dia 28. A participação na fase de grupos termina no dia 2 de julho, contra a Colômbia, no Levi's Stadium, na Califórnia.


Brasil x Costa Rica (Copa América)
Onde: SoFi Stadium, em Los Angeles
Quando: segunda-feira (24), às 22h (horário de Brasília)
Transmissão: Globo, Sportv e Globoplay


Brasil: Alisson; Danilo, Marquinhos, Beraldo e Wendell; João Gomes, Bruno Guimarães e Lucas Paquetá; Raphinha, Rodrygo e Vinicius Júnior.
Treinador: Dorival Júnior


Costa Rica: Sequeira; Taylor, Mitchell, Cascante, Calvo, Lassiter; Galo, Aguilera; Alcócer, Zamora e Ugalde
Treinador: Gustavo Alfaro


Imagem
Seleção usa saliva para monitorar hidratação e tem estratégia contra calor
A seleção brasileira adquiriu um novo equipamento e tem uma estratégia definida contra o forte calor que vai enfrentar nos Estados Unidos durante a Copa América.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade