Pesquisar

Canais

Serviços

Ricardo Chicarelli/Londrina EC
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Pontos devolvidos

Ex-presidente do LEC faz defesa do Brusque em caso de injúria racial contra Celsinho

Lucio Flávio Cruz/Grupo FOLHA
19 nov 2021 às 09:53
Continua depois da publicidade

Às vésperas do dia da Consciência Negra, que será comemorado no sábado (20), o Pleno do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) acatou o recurso do Brusque e devolveu os três pontos perdidos pelo time catarinense no caso de injúria racial cometida contra o meia Celsinho, do Londrina. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Com isso, o Brusque subiu para 44 pontos na classificação da Série B e se afastou da zona do rebaixamento. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O julgamento, on-line, durou quase cinco horas e seis dos oitos auditores reformaram a punição imposta em primeira instância pela Quinta Comissão Disciplinar. 


Leia também: Tubarão denuncia racismo contra Celsinho e Brusque alega "falsa imputação"


Em troca dos três pontos, o Brusque perdeu um mando de campo e foi multado em R$ 60 mil. O presidente do Conselho Deliberativo do clube, Júlio Antônio Petermann, autor das ofensas a Celsinho, foi suspenso por 360 dias e multado em R$ 30 mil. 

Continua depois da publicidade


Advogado de defesa do Brusque, Osvaldo Sestário, ex-presidente do LEC, argumentou que o caso não poderia ser enquadrado como gravíssimo e que não poderia ser pautado por estar às vésperas do dia da Consciência Negra. "Temos que estar voltados 365 dias no ano para o combate à discriminação. Uma grande parte dos atletas, cerca de 70% do elenco, é negra.", enfatizou.  


A maioria dos auditores seguiu a relatoria e condenou o ato de racismo, mas eles entenderam que o caso não se enquadrava em uma situação gravíssima e, por isso, não se justificava a perda de pontos. 


Para o advogado do LEC, Eduardo Vargas, o Brusque deveria admitir a punição. "Até quando toleraremos isso no futebol brasileiro e na sociedade brasileira? Até quando relativizaremos condutas criminosas que atentam contra a raça e cor?", questionou. 


Leia mais na Folha de Londrina.

Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo