Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Vitória do Timão

Herói de vitória, Emerson revela chute 'calculado'

Agência Estado
14 jun 2012 às 01:04
Publicidade
Publicidade

Emerson certamente tomará uma bronca pela expulsão, já que não atuará na quarta-feira que vem, no Pacaembu, mas seu gol na Vila Belmiro, além de garantir a vantagem tão sonhada por Tite, pôs fim a um jejum de oito jogos dos atacantes corintianos, nove dos titulares. Com a vitória por 1 a 0 sobre o Santos, o Corinthians jogará pelo empate num palco onde somou cinco vitórias até aqui.

Foram oito jogos sem um atacante encontrar o caminho das redes adversárias, desde o gol de Willian na derrota para a Ponte Preta (3 a 2), ainda nas quartas de final do Campeonato Paulista, dia 22 de abril.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Por isso a ordem nesta quarta era ter capricho na Vila Belmiro. Foram 20 dias treinando finalização e um pedido de mais ousadia para Jorge Henrique e Emerson. Este parece ter entendido. Herói numa partida em que seu carrinho em Neymar poderia ter estragado uma noite que caminhava perfeita, Emerson deixou o gramado satisfeito pela pintura.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alívio

Como foi a maratona caótica de 1 mês do Corinthians até finalmente sair do Z4

Imagem de destaque
Passou Abel

Veja o que Zubeldía, do São Paulo, fez para se tornar o rei dos cartões

Imagem de destaque
Novo manto

Real Madrid lança uniforme laranja em campanha estrelada por brasileiros

Imagem de destaque
Entenda

Palmeiras ganhou mais de R$ 120 mi com Estêvão após bater o pé por multa


"Dá para ver que calculei o chute. Quando é sorte a gente não tem vergonha de falar, mas não foi sorte, não", disse o atacante, sobre seu chute colocado no ângulo de Rafael.


Feliz com seu chute preciso e ainda mais com a marcação implacável da equipe, principalmente em Neymar. "No futebol é difícil adivinhar algumas coisas (como parar o santista), mas o Tite pediu para a gente jogar mais compacto, com dupla marcação no danado", revelou.

Sempre havia um jogador perto de Neymar, apesar de não ter marcação individual, e outro na sobra. Alessandro, que seria o encarregado de ficar mais perto, agiu como um terceiro zagueiro, com Jorge Henrique dando auxílio.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade