12/05/21
PUBLICIDADE
Cuidado!

Mais de 40% dos tutores de cães e gatos classificam seus pets como obesos

24,72% dos donos de cães e gatos no Brasil consideram que seus pets estão acima do peso. É o que aponta o recente levantamento da Hill's Pet Nutrition, em parceria com a Cão Cidadão.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Apesar de o número ser aparentemente baixo, a pesquisa indica que muitos tutores de animais não sabem identificar quando o cão ou o gato está acima do peso. Isso porque 41,04% dos entrevistados classificam seus pets com as condições corporais 7 e 9 que, de acordo com as diretrizes nutricionais do WSAVA (Associação Mundial de Veterinários para Animais Pequenos), são condições corporais que indicam sobrepeso - entre os classificados como 7 e 9, 41,13% são cães e 30,07%, gatos.

"Somente o veterinário pode dar o diagnóstico e fazer o planejamento do tratamento de obesidade do animal. Utilizamos o escore de condição corporal porque é uma ferramenta fácil e prática no dia a dia e o tutor consegue também ser envolvido no processo de identificação e conscientização do problema”", afirma Brana Bonder, supervisora de Assuntos Veterinários Hill’s Pet Nutrition.

"Fatores como a castração, a idade do animal e doenças concomitantes influenciam no desenvolvimento da obesidade, mas, no geral, o sobrepeso é resultado da combinação entre pouco gasto energético e ingestão calórica excessiva", explica.

Entre os entrevistados, 35,46% oferecem petiscos aos seus cães e gatos todos os dias - outros 25,30% oferecem em um ou dois dias da semana. Além disso, 24,45% dos tutores costumam complementar a ração do animal com algo. "Oferecer petiscos em excesso, seja todos dias ou em alguns dias da semana, colabora para o ganho de peso excessivo do animal", comenta Bonder.

42,75% dos cães comem petiscos e guloseimas todos os dias, enquanto 26,22% dos tutores oferecem petiscos e guloseimas aos cachorros em um ou dois dias da semana. Entre os mais oferecidos estão: petiscos caninos (33,24%), frutas (25,12%) e legumes (17,24%).

Além disso, 70,06% dos cães são alimentados com ração, seja ela seca, úmida em lata ou de sachê. Complementar a ração com algo mais é costume de 49,67% dos tutores entrevistados. Eles geralmente fazem isso sempre ou, então, quando o cão não está comendo tudo.

60,06% dos tutores deixam a alimentação disponível para o cão por tempo determinado, ou seja, retiram se o animal não comer tudo - enquanto 39,94% deixam o alimento disponível o tempo todo. Com relação à quantidade, 35,21% dos tutores colocam o equivalente recomendado na embalagem da ração. Já 18,91% seguem as recomendações de um veterinário e 25,25% colocam de acordo com o que acham que o cão vai comer ou quanto o animal quiser comer.

Sobre a prática de exercícios, fator extremamente importante para manter o animal saudável, 52,93% dos entrevistados afirmam exercitar seus cães, por meio de passeios ou brincadeiras, todos os dias. Mesmo quando o tutor não puder passear com seu cão, é importante tentar manter uma rotina de atividades capazes de fazer com que o animal gaste energia. Até mesmo na hora da alimentação ao colocar, por exemplo, a ração dentro de brinquedos que exigem que ele os movimente para receber a comida.

Apenas 7,56% dos tutores de gatos oferecem a quantidade de comida recomendada pelo veterinário. 42% dos tutores oferecem o alimento na quantidade que o gato quer comer - enquanto apenas 17,43% seguem a quantidade recomendada na embalagem.

A ração seca, úmida e a mistura entre os dois tipos prevalece como principal tipo de alimentação dos gatos, com 98,89% das respostas. 88,46% dos tutores oferecem o alimento ao seu gato em um único pote e, quando o pet não quer comer tudo na hora, 74,94% dos entrevistados deixam o alimento disponível para que ele possa comer depois - enquanto, 9,12% guardam para dar depois. Mas, no geral, 76,25% das pessoas afirmam que o gato come imediatamente.

Sobre os petiscos, os gatos recebem menos do que os cães de acordo com o estudo. Apenas 18,64% dos tutores oferecem guloseimas todos os dias e 23,18%, em um ou dois dias da semana. Entre os petiscos mais oferecidos aos gatos estão: petiscos felinos (53,28%), carne - crua ou cozida (14,16%), atum ou outro peixe - seja em lata ou não (10,57%) e iogurte ou leite (6,57%).

Além disso, 54,31% dos tutores afirmam exercitar seus gatos com brincadeiras todos os dias da semana. Enquanto 18,60% em um ou dois dias da semana.

Quando perguntados sobre como classificariam seus pets, 40,01% consideraram o pet no nível 5, ideal de peso, e 12,96%, nos níveis 1 e 3, considerados abaixo do peso ou subnutridos.

Divulgação
Divulgação


Divulgação
Divulgação


Metodologia da pesquisa

Realizada e promovida pela Hill's Pet Nutrition, em parceria com a Cão Cidadão, a pesquisa foi aplicada online, durante os meses de fevereiro e março de 2020, e contou com 9.320 respostas de tutores de animais - 69,77% donos de cães e 30,23%, de gatos.

A amostra é formada por uma base de 56,82% fêmeas e 43,18%, machos; 74,14% dos animais são castrados e 25,86%, não.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Ameaçado de extinção

Registro raro de tubarão-martelo deve contribuir para a criação de políticas públicas de conservação

11 MAI 2021 às 14h30
Veja o vídeo

Funcionário de balsa pula no mar para resgatar cachorro em SP

10 MAI 2021 às 14h50
Hora do passeio

Ferroviário aposentado constrói trenzinho para cães

07 MAI 2021 às 16h12
Entenda

Cavalo cai de telhado e assusta família em Presidente Prudente

06 MAI 2021 às 16h30
Lar temporário

Maringá lança programa PetLar Solidário e incentiva adoção responsável

06 MAI 2021 às 14h30
Faxina felina

Gato 'limpa' a casa e conquista a internet; veja o vídeo

05 MAI 2021 às 15h32
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados