Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Mudança climática

Ondas de calor exigem atenção redobrada com a hidratação dos pets

Reportagem Local
15 mar 2024 às 09:15
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A combinação de oceanos e planeta mais quentes, somada aos efeitos do El Niño, desafia os registros de temperatura, refletindo eventos extremos que evidenciam a mudança climática no Brasil. 


Segundo a OMM (Organização Meteorológica Mundial), 2023 foi o ano mais quente da história, e embora haja esperança de alívio com um possível arrefecimento do El Niño, 2024 deve permanecer entre os anos mais quentes devido ao aquecimento global, com sua influência continua até maio, impactando diretamente o clima brasileiro.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Assim como os humanos, os pets também sofrem com os dias quentes e abafados. As altas temperaturas podem incomodar nossos amigos peludos, e cabe aos tutores mitigar os problemas causados pelo calor, garantindo seu conforto e bem-estar.

Leia mais:

Imagem de destaque
Após caso envolvendo escritora

Ataque de pitbulls: especialista defende que a questão é educar humanos

Imagem de destaque
Nesta sexta

Londrina terá ação educativa com crianças para combater a violência contra animais

Imagem de destaque
Nova pesquisa

Amantes de pets, londrinenses gastam, em média, R$193,30 mensais com cãozinho

Imagem de destaque
ExpoPet

ExpoLondrina permite entrada de animais domésticos pela primeira vez


De acordo com Henrique Baccar, comportamentalista e adestrador de pets, que atende pelo GetNinjas, é importante estar atento aos dias mais quentes e intensificar os cuidados com os pets. 

Publicidade


"É fundamental observar que os animais domésticos têm uma temperatura corporal que pode variar entre 37,4ºC e 39ºC, dependendo da espécie, pelagem e raça. Isso requer atenção extra para garantir seu bem-estar", destaca. 


O especialista também ressalta que a situação em que o animal está exposto pode afetar sua saúde. "Os primeiros sinais de excesso de calor podem incluir mal-estar perceptível, agitação e ofegação intensa por parte do pet, isso pode ocorrer após um passeio de rotina", acrescenta.

Publicidade


O adestrador alerta ainda sobre a importância de avaliações veterinárias recorrentes, pelo menos duas vezes ao ano. 


"Muitos tutores deixam de realizar consultas veterinárias ao observarem seus pets com boa alimentação, atividade e comportamento normal. No entanto, as mudanças de estação e variações climáticas podem afetar a saúde dos pets. Algumas raças de cachorros são mais sensíveis a climas quentes, atenção especial para todos os braquicefálicos, que são os animais com focinhos menores e achatados, enquanto os gatos demonstram maior adaptabilidade ao clima", explica.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Proteja seu pet: ondas de calor exigem atenção redobrada
Especialista orienta tutores a oferecer sombra e água fresca e evitar atividades intensas nos momentos mais quentes
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade