Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
De babá a hotel

Período de férias aquece mercado de cuidados e hospedagem pet

Mariana Sanches Otta/Especial para a Folha de Londrina
23 dez 2021 às 08:51
Continua depois da publicidade

A postagem no perfil profissional do Instagram da petsitter Rebeca Moreno Cianca já avisa: horários esgotados para o Natal! 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Com um cronograma cheio, a babá de animais ainda tem vagas abertas na agenda do final de ano, mas os clientes que quiserem contratar os serviços precisam se apressar, pois a procura aumenta nesse período de férias e viagens.  

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Cianca faz parte de um mercado aquecido neste período de festas e de férias. 


Com a previsão de aumento de viagens, muitas pessoas precisam deixar seus animais de estimação sob os cuidados de uma hospedagem especializada ou os serviços de um profissional. 


Há ainda aqueles que vão preferir levar seus bichinhos consigo na viagem e procurar locais petfriendly, considerada uma tendência no mercado pet. 

Continua depois da publicidade


“Esse é um mercado em ascensão, pois os pets passaram a ser vistos como verdadeiros membros da família e não só um animalzinho. Então os tutores procuram dar uma qualidade de vida melhor para esses animais”, analisa consultora de Negócios do Sebrae, Liciana Pedroso. 


Ela acrescenta que esse nicho  – formado por médicos-veterinários, rações específicas, hotéis/creches , brinquedos e petsitters - tem crescido nos últimos três anos.  


A consultora também aponta para o aumento de adoção e compra de pets durante a pandemia de coronavírus. Segundo ela, “as pessoas buscaram ter um animal em casa como uma forma de companhia para enfrentar o momento emocional complicado”.  


De acordo com o Sebrae, o segmento pet foi um dos que menos sofreram os efeitos da crise durante a pandemia. 


Pesquisa recente, com base em dados da Receita Federal, mostra  um aumento do número de negócios voltados para o mercado Pet de 39% entre as micro e pequenas empresas e 46%, entre os microempreendedores individuais. 


Continue lendo na Folha de Londrina.



Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade