24/11/20
PUBLICIDADE
Crianças

Consultas frequentes ao pediatra previnem doenças na infância

Reprodução/Freepik
Reprodução/Freepik


Muito mais do que tratar doenças, a função do pediatra é acompanhar o desenvolvimento da criança. Por isso, as consultas pediátricas frequentes, desde os primeiros dias de vida, são de extrema importância, já que, por meio do olhar do profissional, observa-se o crescimento da criança, seu desenvolvimento físico e motor, a linguagem, a afetividade e a sua aprendizagem cognitiva.


Assim, é possível detectar problemas precocemente e intervir positivamente diante das alterações que surgirem. Além disso, a família pode esclarecer dúvidas nas consultas, obtendo orientações sobre a rotina da criança e as melhores formas de cuidar dela, conhecendo quais vacinas e exames são necessários, etc.

"O pediatra vai ser um médico preventivista, dando informações essenciais para manter a saúde global e o desenvolvimento adequado da criança”, frisa Rubia Fátima Fuzza Abuabara, médica pediatra e intensivista neonatal que integra o corpo clínico do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC).

Segundo a profissional, por falta de conhecimento ou tempo, os pais deixam de fazer a consulta preventiva na infância e acabam procurando atendimento médico apenas quando a criança tem algum sintoma de doença. O que não é adequado.

"Várias pesquisas mostram que, se não existe o acompanhamento frequente do pediatra, o risco da criança ser hospitalizada aumenta duas vezes. As chances ainda podem duplicar se a criança tiver doenças crônicas”, alerta.

Pensando nisso, o Dona Helena desenvolveu o programa "Nascer e Crescer no Dona Helena”, em que a equipe da maternidade da instituição presta auxílio aos pais, visando o acompanhamento contínuo de um pediatra, após o nascimento do bebê.

Assim, a criança poderá ter seu histórico de saúde em um só lugar, garantindo um atendimento integral, do nascimento à maturidade. "O programa objetiva integrar todas as informações importantes, desde o nascimento do bebê e durante todo o seu crescimento e desenvolvimento. Além de proporcionar maior praticidade de agendamento, principalmente da primeira consulta do recém-nascido”, explica Elen Furlan, coordenadora de enfermagem da maternidade.

A primeira consulta, normalmente, deverá ser realizada de sete a dez dias após a alta hospitalar. Por causa da pandemia da Covid-19, recomenda-se que todos os recém-nascidos sejam avaliados precocemente, de três a cinco dias, e de modo presencial, preferencialmente. Rubia frisa a importância de se escolher criteriosamente o profissional que irá acompanhar o bebê.

"É necessário haver uma empatia na relação do médico com a família”, sublinha.

Nas consultas, o bebê passa por um exame físico completo, incluindo checagem do peso, estatura, perímetro cefálico, desenvolvimento neurológico e grau de imunização. O primeiro encontro com o pediatra costuma ser o mais longo. O profissional irá fazer vários questionamentos, abordando desde o período gestacional até o detalhamento do histórico familiar, observando, assim, se existem doenças prévias e alergias.

"Também verificamos como está a produção de leite e se o bebê está com a mamada adequada, lembrando sobre a importância extrema do aleitamento materno exclusivo nos primeiros meses de vida”, ressalta a especialista.

No primeiro mês de vida, a criança precisa passar por mais duas consultas, aos 15 e 30 dias. Até os seis meses, a ida ao pediatra deve ser mensal.

Após esse período, até os dois anos de idade, a frequência deve ser trimestral, isto é, a cada três meses. Dos dois aos quatro anos, semestral. A partir dos cinco anos, a criança deve realizar consultas anuais.

No programa do Dona Helena, os pais já saem do hospital com a próxima consulta agendada, além de ganharem um cartão com os dados do compromisso, contendo um lembrete para trazerem a caderneta de vacina.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Pode salvar vidas

Brasileiros apontam potencial da ayahuasca para prevenir suicídio

24 NOV 2020 às 08h58
Vacina de Oxford

Fiocruz prevê vacinar cerca de 130 milhões em 2021

24 NOV 2020 às 08h50
Coronavírus

Brasil se aproxima de 170 mil óbitos por Covid-19

24 NOV 2020 às 08h04
Boletim da pandemia

Boletim de Londrina cita três mortes e 54 novos casos de coronavírus

23 NOV 2020 às 18h44
Boletim da Sesa

Paraná registra 707 casos e 27 mortes pela Covid-19 nesta segunda

23 NOV 2020 às 17h14
Estudo clínico

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

23 NOV 2020 às 16h44
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados