13/08/20
31º/15ºLONDRINA
Fique ligado

Obsessão por magreza é doença

Padrão de beleza cada vez mais rígido faz com que cerca de 4% do população sofra destes distúrbios alimentares como bulimia e anorexia

Segundo dados da área de saúde, cerca de 1% a 4% da população sofre de bulimia ou anorexia. A bulimia atinge 13 mulheres em cada 100 mil, enquanto que a anorexia afeta 8 em cada 100 mil. Esses números preocupam cada vez mais profissionais da área da saúde. Essa obsessão em ser "magro" é identificada por uma grave perturbação do comportamento alimentar, preocupação excessiva com o aumento de peso e o corpo e por nunca se sentir suficientemente magra. O problema afeta principalmente mulheres adolescentes e jovens.

"Anoréxicos e bulímicos possuem um padrão de comportamento e pensamento que os leva a crer que tudo em suas vidas depende de quão magros estão. Assim, atribuem fracassos e glórias de suas vidas ao corpo, ou seja, se foi promovido no trabalho é porque está magro, se perdeu o namorado é porque está gordo", explica a psicóloga da Clínica Asinelli, Talita Lopes Marques que é especialista em Transtornos Alimentares e Obesidade, Psicologia do Emagrecimento (Programa Rafcal) e mestranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina.


Essas doenças se iniciam por diversas causas, como fatores psicológicos, biológicos, familiares e sócio-culturais. A psicóloga esclarece que o padrão de beleza cada vez mais rígido e difícil de ser atingido é o principal vilão. "As mulheres são guiadas por dois padrões de beleza: a magreza extrema, que denota um índice de massa corporal equivalente à anorexia, ou o corpo extremamente definido, conseguido com muito empenho na academia de ginástica e na mesa dos cirurgiões plásticos", considera.

Segundo a psicóloga, as mulheres são as maiores vítimas dessa exigência social, principalmente as adolescentes que estão passando por um período de transformação física e psicológica, o que as deixa ainda mais inseguras quanto ao seu corpo, abrindo espaço para o transtorno alimentar.

O termo anorexia nervosa significa ausência de fome, porém a vítima dessa doença raramente perde o apetite. Ela desenvolve um controle tão grande que apenas aguenta a sensação desconfortável da fome na crença de que está emagrecendo. "Já o termo bulimia significa que a pessoa sente uma fome tão grande que seria capaz de comer um boi, contudo essa fome não é fisiológica, é ocasionada por ansiedade, frustrações e outras situações que causam a falta de controle sobre seus impulsos", compara Talita.

Os transtornos alimentares são diagnosticados por psiquiatras, mas devido a suas inúmeras causas, o tratamento deve ser feito por uma equipe interdisciplinar especializada, composta por psicólogo, psiquiatra, nutricionista, endocrinologista entre outros. "O primeiro passo é fazer uma avaliação do estado atual de saúde do paciente para afastar possíveis causas orgânicas. Conforme a necessidade, a equipe médica pode prescrever o uso de medicamentos como antidepressivos e ansiolíticos", comenta.

O papel do psicólogo é fundamental, pois investigará não só os fatores que levaram ao desenvolvimento e manutenção do quadro, mas também outras dificuldades que o paciente apresenta. "É fundamental conscientizar o paciente do porquê do peso corporal ser tão importante para ele e permear todas as áreas de sua vida, modificando também a crença de que seu valor pessoal não varia conforme seu peso", explica.

História
Ao contrário de que se imagina, os transtornos alimentares são doenças antigas. A psicóloga conta que há relatos históricos que identificam a anorexia na Idade Média. "Nessa época as jovens que suprimiam necessidades básicas como alimentação e sexo eram santificadas, daí o nome de Anorexia Santa". Já a bulimia é relatada no antigo Egito.

"A prática de vômitos e o uso de purgativos eram considerados uma forma de se livrar de doenças, pois eles acreditavam que estas eram causadas pela comida. Na Medicina grega existem relatos de que Hipócrates recomendava a prática de vômitos para a prevenção de doenças. Os romanos tinham o hábito de comer em excesso em banquetes e depois dirigir-se ao vomitorium, local próprio para se livrar dos excessos alimentares", conta.

A psicóloga explica que só a partir da década de 60, com o aumento de casos de transtornos alimentares, que a comunidade científica e a sociedade passaram a se interessar mais pelo assunto.
Redação Bonde
Continue lendo
Saúde da mulher
Londrina inicia implantação de DIU medicamentoso
13 AGO 2020 às 11h45
2º caso no país
China anuncia cura de homem reinfectado por Covid-19
13 AGO 2020 às 11h04
Sars-CoV-2
China detecta coronavírus em frango brasileiro
13 AGO 2020 às 10h51
Santa Mercedes
Última cidade sem Covid-19 em SP prioriza atenção básica
13 AGO 2020 às 10h04
Descoberta científica
Soro obtido de cavalos pode ter anticorpos superpotentes contra o coronavírus
13 AGO 2020 às 09h33
Saiba mais
Um dia após anúncio de vacina, Rússia altera dados sobre testes em base internacional
13 AGO 2020 às 09h01
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados