15/07/20
25º/14ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Veja o infográfico

Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

Um estudo feito pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) tornou mais fácil identificar lugares onde, segundo pesquisadores, a chance de ser infectado pelo vírus SARS-Cov-2, responsável pela pandemia de Covid-19, é maior.

Tomaz Silva/Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Os resultados parecem comprovar o que já é protocolo sanitário em todo o Brasil: a residência é o lugar mais seguro para as pessoas neste momento.

A equipe de virologistas responsáveis pelo levantamento coletou amostras de lugares públicos de alta circulação na cidade de Belo Horizonte.

O método utilizado foi parecido com os testes realizados para detectar a presença do vírus no organismo: o swab - um tipo de cotonete alongado que, quando friccionado contra superfícies, coleta o material em repouso - foi usado em pontos de ônibus, corrimãos, entradas de hospitais e até mesmo bancos de praças. Das 101 amostra colhidas, 17 continham traços do novo coronavírus.

"Para se avaliar o risco de um determinado local, levamos em consideração três elementos: o número de pessoas que podem portar a infecção, o nível de aglomeração esperado nos ambientes e a chance de haver pessoas com a infecção no local”, explicou o infectologista e professor de medicina da UFMG, Matheus Westin.

O médico lembra, ainda, que objetos também podem ter partículas infecciosas inertes. Frutas, verduras, caixas e outros itens que ficam expostos podem carregar o vetor de infecção. O estudo classificou as áreas de risco de acordo com os três pilares sanitários identificados pelos médicos. Veja o infográfico:

Arte/Agência Brasil
Arte/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Linha de frente

O estudo mostrou também que profissionais que trabalham na linha de frente de combate ao novo coronavírus estão muito mais suscetíveis ao contágio, já que a proximidade com infectados é inevitável.

"Todas as formas de assistência direta envolvem proximidade. Desde os cuidados primários, como administrar medicação ou conversar com o paciente, aos procedimentos invasivos, como ajustar o ventilador mecânico, aspirar as vias aéreas ou entubar o paciente, tudo isso cria um grande risco de transmissão”, argumenta Westin.

Segundo o médico e professor, o investimento em EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) de qualidade é crucial, e pode definir se o profissional médico será contaminado ou não ao tratar pacientes.

"Boa parte desse equipamento é de uso único. A troca deve ser periódica. Mas não dá pra esquecer que o profissional de saúde, ao chegar em casa, deve lavar bem com água e sabão as vestimentas hospitalares para remover traços de contaminação das roupas”, informou.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Entenda
Pacientes retardam ida a hospital para tratar doenças e chegam em estado crítico
Saiba mais
Londrina tem 76 mortes pelo novo coronavírus e 1294 casos confirmados
Colecistectomia
Conheça a cirurgia feita por Vanderlei Luxemburgo
Continue lendo
Cuidado!
Asma X Covid-19: entenda a relação entre a doença respiratória e o novo coronavírus
15 JUL 2020 às 11h43
Maior risco aos obesos
Estudo da Unicamp sugere que Covid-19 pode infectar células adiposas
15 JUL 2020 às 08h45
Entenda o termo
Não há evidência de imunidade de rebanho contra o coronavírus no Brasil, diz diretor da Opas
15 JUL 2020 às 08h34
Mais de 74 mil mortes
Brasil registra 1.341 mortes por Covid-19 em 24 horas
15 JUL 2020 às 08h12
Boletim
Maringá registra mais uma morte e 75 novos casos de Covid-19
14 JUL 2020 às 19h28
Boletim da prefeitura
Londrina atinge 97 óbitos pela Covid-19 e passa de 2 mil casos
14 JUL 2020 às 19h15
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados