Pesquisar

Canais

Serviços

Tecnologia a nosso favor

Aplicativos ajudam entender depressão pós-parto, asma e problemas cardiovasculares

- Divulgação
Redação Bonde
22 mar 2016 às 15:27
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Que o mundo tecnológico é uma 'mão na roda' de todos os seres humanos que usufruem dele, já era sabido. Mas agora os cientistas poderão facilitar suas pesquisas: será possível coletar dados usando apps para iPhone e iPad. O ResearchKit, como é chamado o conjunto de apps, tem como objetivo colher informações sobre doenças a partir de testes específicos feitos pelo celular. A ideia é compreender os efeitos do ambiente, do clima e da alimentação em cada cada enfermidade.

Continua depois da publicidade

Por enquanto, só três aplicativos fazem parte do trio: o PPD Act, que estuda sintomas da depressão pós parto, ajudando a compreender suas causas; o MyHeart Counts, que colhe dados sobre a predisposição para problemas cardiovasculares, e o The Asthma Health, que coleta informações sobre asma. Todos eles são gratuitos e foram desenvolvidos por universidades conceituadas nos Estados Unidos, como a Universidade da Carolina do Norte (que desenvolveu o PPD Act) e a Icahn School of Medicine (que criou o The Ashtma Health).


Cada app funciona de um jeito. O The Asthma Health, por exemplo, pede que os usuários forneçam dados sobre ataques de asma em diferentes períodos do dia, enquanto o MyHeart Counts faz com que seus participantes caminhem e realizem outros exercícios físicos e, depois, respondam algumas perguntas. Já o PPD Act, além de pedir que as usuárias completem um questionário sobre sintomas como ansiedade, tristeza e perda de peso, também envia um kit de testes de DNA para as mulheres que, pelos dados, se encaixam no perfil da doença - a ideia é colher amostras genéticas de várias mulheres que sofrem da doença para comparar com aquelas que não sofrem e, a partir disso, tirar conclusões sobre as causas da depressão pós parto.


O bacana é que o kit é open source, ou seja, tem código aberto. Isso significa que, em tese, qualquer conjunto de pesquisadores de qualquer lugar do mundo pode criar um aplicativo baseado no ResearchKit para levantar dados sobre doenças. A Apple apontou, por exemplo, que pesquisadores nos Estados Unidos estão trabalhando em testes de audiometria, de medição de estímulos neurais e de memória.


Todos os dados dos participantes serão protegidos por criptografia, principalmente o das mulheres que precisarem fornecer seus endereços para receber o kit de teste de DNA do PPD Act. Os participantes também vão poder acompanhar as coletas que ajudarem através dos aplicativos, e serão notificados sobre novidades nas pesquisas.

Continua depois da publicidade


Por enquanto, os estudos dos aplicativos estão sendo usados apenas na Austrália, em alguns países da Europa, no Japão, na China e nos Estados Unidos, mas a ideia é espalhar os dados e os apps ao máximo para garantir resultados cada vez mais precisos.

(com informações do site Super Interessante)


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade