Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Dia Mundial da Alergia

Entenda quais são os piores gatilhos da rinite alérgica e como preveni-los

Redação Bonde com assessoria de imprensa
08 jul 2024 às 16:53
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia destaca que ácaros, mofo, pelos de animais, polén, fumaça e agentes químicos estão entre os principais desencadeadores


A rinite alérgica é considerada uma das alergias respiratórias mais frequentes na população, que afeta mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Alergia (WAO, na sigla em inglês). A enfermidade causa uma inflamação na mucosa que reveste a parte interna do nariz, provocando espirros constantes, olhos vermelhos, coriza, coceira no nariz e congestão nasais como principais sintomas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Em alusão ao Dia Mundial da Alergia, instituído em 8 de julho pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) destaca os principais gatilhos que podem desencadear essa doença que, se não tratada, traz impactos negativos à qualidade de vida.

Leia mais:

Imagem de destaque
Comportamento de apatia

Síndrome do Tédio também afeta saúde mental no ambiente de trabalho

Imagem de destaque
Mulheres são mais afetadas

Câmara aprova inclusão de políticas públicas para Burnout no SUS; especialistas comentam

Imagem de destaque
Caso Iza

Entenda os impactos emocionais e a importância do suporte psicológico para gestantes

Imagem de destaque
Com quase 50 mil seguidores

Influenciadora passa mal e morre após realizar procedimento estético


Principais desencadeantes para o paciente alérgico:

Publicidade


Ácaros e mofo

Invisíveis a olho nu, os ácaros são micro-organismos que se alimentam de restos de pele humana. São facilmente encontrados em colchões, travesseiros, tapetes, cortinas e roupas guardadas, por exemplo.  Já o mofo ou bolor costumam dominar ambientes úmidos que ficaram fechados por um longo período, como casas e apartamentos veraneio, ou ambientes sem incidência solar.

Publicidade


Pelos de animais 

Além de carregarem ácaros, os pelos de cães, gatos e outros animais domésticos contêm proteínas presentes na saliva, pele e até na urina, que podem desencadear reações alérgicas em pessoas sensíveis.

Publicidade


Pólen

Na primavera há aumento da concentração de pólen do ar, liberado das flores e das gramíneas e dispersado pelo vento, uma situação que acaba afetando as mucosas e vias aéreas de pessoas sensíveis. 

Publicidade


Tempo frio e seco

A mudança brusca de temperatura, por exemplo, do calor para o frio, promove em algumas pessoas um reflexo exacerbado de obstrução do nariz, espirros e/ou coriza, chamado de rinite vasomotora, sendo estes efeitos ainda mais intensos em quem apresenta também uma rinite alérgica descompensada. O tempo seco, associado ao frio, potencializa estes efeitos.

Publicidade


Fumaça

A fumaça dos carros, do cigarro ou das queimadas contém partículas irritantes, como alcatrão e outros produtos químicos, que prejudicam as vias respiratórias.

Publicidade


Poluição

A poluição do ar inclui componentes e gases tóxicos que danificam as células do sistema respiratório, tornando-o mais sensível a alérgenos.


Agentes químicos

Produtos de limpeza, como água sanitária, desinfetantes e detergentes, desodorantes de ambiente, tintas, inseticidas e outros produtos com cheiro forte também podem irritar o nariz e desencadear crises de rinite irritativa, mesmo em pessoas não alérgicas.


Prevenção

A principal medida preventiva para a rinite alérgica é evitar o contato com as substâncias e agentes alérgenos que desencadeiam a doença.


“A higienização dos espaços de convivência é essencial, de preferência utilizando pano úmido, para evitar que a poeira e pelos de animais no chão seja dispersada. Também é importante dar preferência para colchões e almofadas antialérgicas e o uso de capas antiácaro em colchões e travesseiros”, cita o coordenador do departamento de Alergia da ABORL-CCF, Olavo Mion.


Na primavera, quando há aumento da disseminação do polén pelo ar, manter as janelas fechadas, usar óculos de sol e não frequentar locais com alta concentração desse componente são as principais estratégias para reduzir o risco do quadro nas pessoas sensíveis.


“Os umidificadores podem ajudar melhorar a sensação de umidade do ar, em dias de tempo seco”, explicou o médico.


O especialista ainda alerta que somente se distanciar dos gatilhos de agentes desencadeantes da rinite alérgica pode não ser suficiente. Por isso, a consulta com médico otorrinolaringologista é necessária. Ele pode indicar cuidados como a lavagem nasal com uma solução salina e terapias medicamentosas.


“O médico é capaz de avaliar e indicar quais fármacos que controlem os sintomas, pois cada paciente possui particularidades e o tratamento deve ser individualizado”, finaliza Olavo.


 

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade