Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após 23 anos

Homem volta a andar após aplicação de botox

Redação Bonde
08 jun 2009 às 08:25
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A BBC Brasil noticiou este final de semana o caso de um australiano, vítima de derrame (Acidente Vascular Cerebral - AVC), que passou 23 anos locomovendo-se apenas com uma cadeira de rodas, mas conseguiu voltar a andar após receber tratamento com toxina botulínica tipo A, mais conhecida pelo nome comercial BOTOX®.

Casos como o de Russel McPhee são muito mais comuns do que se imagina. Exemplo disso é o da aposentada Odila Petrato, de 58 anos. Em 2007 ela sofreu um AVC isquêmico e desenvolveu sequelas motoras que prejudicaram sua mobilidade, entre elas, a espasticidade. Após tratamentos de reabilitação, que envolveram também a aplicação do Botox, Odila recuperou boa parte de sua qualidade de vida. Desde o AVC, ela usava cadeira de rodas para se locomover, mas após a reabilitação, ela evoluiu muito bem e hoje consegue andar apenas com a ajuda de bengala.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Muitas pessoas sabem dos usos cosméticos da toxina botulínica tipo A (botox), mas um número maior ainda de pessoas se beneficia ou pode se beneficiar de suas indicações terapêuticas, inclusive no Brasil.

Leia mais:

Imagem de destaque
Solução alternativa

Cinco chás que ajudam a regular desordens menstruais

Imagem de destaque
Não é mito

Episódio de raiva aumenta o risco de ataque cardíaco 40 minutos após o evento, mostra estudo

Imagem de destaque
Descoberta inovadora

Novo componente genético ligado ao Alzheimer é descoberto em estudo

Imagem de destaque
Ansiedade e estresse

Consumir conteúdos com velocidade aumentada pode impactar na saúde mental; entenda


Por aqui, a ANVISA aprova o uso do medicamento para estrabismo, distonias (contrações involuntárias dos músculos), espasticidade (rigidez muscular excessiva que compromete a mobilidade de pacientes vítimas de AVC, traumatismo craniano, esclerose múltipla, lesão medular, crianças com paralisia cerebral) e Bexiga Hiperativa Neurogênica, este último aprovado em janeiro deste ano no País.

Publicidade


No caso do paciente australiano e da dona Odila, ambos possuem espasticidade por conta do derrame. A espasticidade se caracteriza pelo aumento do tônus muscular e pela rigidez excessiva de contração dos músculos. Os sintomas variam desde uma leve contração até uma deformidade severa, que afeta a mobilidade e a qualidade de vida dos pacientes, limitando atividades simples do dia-dia, como comer, vestir-se, andar, escovar os dentes, entre outras.


Aplicada diretamente nos músculos comprometidos, a toxina botulínica promove um relaxamento e bloqueia a atividade motora involuntária, o que reduz a dor, aumenta a amplitude dos movimentos e melhora consideravelmente a qualidade de vida.

"É importante saber que a aplicação da toxina botulínica é parte de um tratamento multidisciplinar que envolve neurologistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, ortopedistas, entre outros profissionais", destaca o fisiatra Dr. Sérgio Lianza, professor da Faculdade de Ciências Médicas Santa Casa. O relaxamento da musculatura e a melhora na movimentação são fundamentais em todas as etapas da reabilitação - permitem que o fisioterapeuta maneje os membros afetados, por exemplo.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade