Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Xiiiiiiiiuuuu!

Ouvidos também precisam de repouso. Entenda por quê

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
30 jul 2012 às 14:50
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O som produzido pelo trânsito, pelas construções e até mesmo pelos objetos usados no cotidiano, como o computador, é corriqueiro e nem todos se dão conta sobre os perigos que rondam a audição. De acordo com a otorrinolaringologista e otoneurologista Rita de Cássia Cassou Guimarães, cada ruído possui uma intensidade diferente, medida pela unidade decibel (dB). "O ouvido humano é extremamente sensível e exposições prolongadas a sons de alta intensidade podem provocar sintomas como perda de audição temporária ou irreversível, zumbido e sensibilidade", observa.

Na escala da unidade de medida dos sons, o menor ruído que um ser humano pode ouvir é o de 0 dB, praticamente silêncio total. A escala logarítmica dos decibéis é feita assim: um som 10 vezes mais potente do que o silêncio tem 10 dB, um ruído cem vezes mais forte possui 20 dB, um barulho mil vezes mais intenso é classificado no nível de 30 dB e assim por diante. "Os índices de decibéis são importantes para verificar o tempo máximo de exposição em um ambiente barulhento para evitar danos à audição", explica a médica, mestre em clínica cirúrgica pela UFPR.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Rita dá alguns exemplos na escala de decibéis:

Leia mais:

Imagem de destaque
Ansiedade e estresse

Consumir conteúdos com velocidade aumentada pode impactar na saúde mental; entenda

Imagem de destaque
20 atendimentos por dia

Clínica de Fisioterapia busca pacientes com lesões neurológicas e gestantes para atendimento gratuito em Londrina

Imagem de destaque
Visibilidade e direitos

Paraná promove mutirão para emissão da Carteirinha do Autista

Imagem de destaque
Na próxima quarta

'Por que o intestino é considerado o segundo cérebro?' é tema de live da Associação Médica de Londrina


- 0 dB: perto do silêncio total;

Publicidade


- 15 dB: um sussurro;


- 60 dB: uma conversa normal entre duas pessoas;

Publicidade


- 90 dB: som de uma máquina de cortar grama ou aspirador de pó;


- 100 dB: turbina de um avião;

Publicidade


- 120 dB: motor a jato, trios elétricos;


- 140 dB: tiro ou rojão.

Publicidade


A médica alerta que os sons acima de 85 dB podem causar perda de audição dependendo da potência do som e do período de exposição. A Organização Mundial da Saúde recomenda que neste nível a exposição máxima deve ser de no máximo oito horas para não prejudicar a saúde auditiva. "No ambiente de trabalho a situação é mais complexa, pois os trabalhadores são expostos a ruídos intensos durante a longa jornada. Por isso é fundamental que o empregador disponibilize equipamentos de proteção individual e que os empregados usem os recursos da maneira adequada", afirma.


Nível de pressão sonora (dB) x Tempo de exposição

Publicidade


85 – 8 horas


90 – 4 horas

Publicidade


95 – 2 horas


100 – 1 hora


105 – meia hora


110 – quinze minutos


A exposição de apenas alguns segundos a um som de 140 dB pode causar danos irreversíveis e sensação dolorosa, além da destruição das células auditivas. Rita lembra que não é possível reverter às lesões que comprometem as estruturas do ouvido interno. "O envelhecimento já é um fator natural que reduz o limiar auditivo progressivamente, pois as células do ouvido envelhecem, morrem e não há reposição. A poluição sonora é mais um agente que aumenta os riscos da perda auditiva", ressalta Rita, coordenadora do Grupo de Informação a Pessoas com Zumbido de Curitiba (GIPZ Curitiba).


Depois de oito horas exposto a um ruído de 85 dB, o ideal é que haja um descanso auditivo de no mínimo 14 horas para que os ouvidos possam se recuperar. Outra dica é evitar o uso de fones de ouvido, não introduzir objetos ou hastes de algodão dentro do canal auditivo e não usar remédios sem prescrição médica. "O exame audiométrico e outras avaliações complementares ajudam a diagnosticar possíveis lesões e problemas auditivos, possibilitando o tratamento precoce", acrescenta a especialista, responsável pelo Setor de Otoneurologia da Unidade Funcional de Otorrinolaringologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Dra. Rita de Cássia Cassou Guimarães (CRM 9009) - Otorrinolaringologista, otoneurologista, mestre em clínica cirúrgica pela UFPR


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade