Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução/Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Um dos tipos mais letais

Saiba como identificar os sintomas do câncer de pâncreas

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
23 set 2019 às 09:11
Continua depois da publicidade

Com comportamento agressivo e de difícil detecção, o câncer de pâncreas atinge diariamente 1,2 mil pessoas em todo mundo, segundo a Sociedade Americana de Câncer. Com alta taxa de mortalidade, a doença precisa ser diagnosticada o mais rápido possível, uma vez que a cura completa, na maior parte dos casos, só é possível em estágio inicial. Para alertar sobre os riscos desse tipo de tumor, o mês de setembro também é dedicado a campanhas de prevenção.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Segundo o último levantamento do Inca (Instituto Nacional de Câncer), quase 10 mil pessoas morreram no Brasil em decorrência da doença em 2016. Por isso, o câncer de pâncreas é considerado um dos tumores mais agressivos. Ana Maria de Oliveira Santos, oncologista do Hospital Santa Cruz, explica que o câncer de pâncreas pode iniciar sem qualquer manifestação clínica. "Em uma grande maioria dos casos, a suspeita que levará ao diagnóstico ocorrerá quando se tem uma doença mais avançada”, alerta.

Continua depois da publicidade


Por isso, a médica recomenda que as pessoas prestem atenção em sintomas como perda de apetite, emagrecimento, alteração da coloração da urina e das fezes, dores abdominais, náuseas, vômitos, diarreia e coceira no corpo. "Esses sinais podem ser confundidos com outras patologias, principalmente as relacionadas ao trato digestivo, incluindo problemas na vesícula biliar, estômago e outros órgãos abdominais”, afirma.


Fatores de risco - Entre os fatores de risco para o desenvolvimento deste tumor estão o tabagismo e o consumo excessivo de gordura, de carnes e de bebidas alcoólicas. Filipe Vieira Kwiatkowski, cirurgião oncológico do Hospital Santa Cruz, aponta o cigarro como principal fator. "Quem faz uso do tabaco e seus derivados tem três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes. Quanto maior a quantidade e o tempo de consumo, maior o risco”, adverte.


A exposição a compostos químicos, como solventes e derivados do petróleo, durante longo tempo, também pode provocar tumores no pâncreas. Segundo Kwiatkowski, pacientes com pancreatite crônica, diabetes ou que foram submetidos a cirurgias de úlcera no estômago ou duodeno ou ainda sofreram retirada da vesícula biliar têm mais chances de desenvolver a doença. "Esse grupo deve se submeter a exames médicos periódicos”, destaca o médico.

Continua depois da publicidade

Fique alerta aos sintomas - De acordo com o site Drauzio Varella, na maioria dos casos é difícil determinar a causa do câncer de pâncreas. Para que o tratamento seja bem-sucedido e o paciente tenha chances de cura, é importante que se percebam os sintomas para a identificação da doença. Por isso, a oncologista Ana Maria elencou alguns dos principais sinais: icterícia (pele amarelada), urina escura, fezes de cor clara, dor no abdômen ou na lombar, sensação de empachamento, náusea, vômito ou indigestão, cansaço, perda de apetite, perda de peso inexplicável e aparecimento repentino de diabetes.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade