Pesquisar

Canais

Serviços

Atenção, gestantes!

Sífilis congênita apresenta perigo para bebês antes e depois do nascimento

- Reprodução/Pixabay
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
16 out 2019 às 09:01
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O terceiro sábado de outubro é destacado anualmente como o Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita. A data é uma iniciativa importante para chamar a atenção dos brasileiros, principalmente das gestantes, dos futuros pais e das famílias. Afinal, a doença atinge um número cada vez maior de pessoas, interferindo na vida da criança no útero e também após o nascimento.

Continua depois da publicidade

De acordo com Geraldo Duarte, médico e professor titular do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, a sífilis é uma infecção causada pela bactéria Treponema pallidum que se manifesta em diferentes estágios. A contaminação se dá pelo ato sexual, por transfusão de sangue, por transplante de órgãos e, também, por transmissão vertical (da mãe para o filho, durante a gestação, trabalho de parto ou amamentação), sendo esta última a mais perigosa para a saúde da criança.


Os sintomas maternos acontecem em três estágios. O primeiro, chamado de sífilis recente, dura até um ano e suas manifestações clínicas se dividem em primárias e secundárias. As primárias (primarismo sifilítico) são caracterizadas pela presença de úlceras no local de entrada da bactéria, as quais não ardem, não doem e não coçam. Já o secundarismo sifilítico compreende os sintomas pós-cicatrização das feridas iniciais, sendo marcado por lesões na pele, tais como manchas no corpo, pápulas e outras.


A segunda fase da sífilis é chamado de sífilis latente e começa quando os sintomas e sinais secundários da doença desaparecem, com ou sem tratamento. Aqui, a única forma de diagnóstico são os exames laboratoriais. Em um terceiro momento, chama-se sífilis tardia e surge tardiamente em pessoas que não realizaram o tratamento. A terceira fase pode levar de 30 a 40 anos para se manifestar, mas ocorre de forma grave e irreversível, com lesões cutâneas gomosas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas.


"As lesões que mais chamam a atenção são as localizadas nas mucosas e na pele, mas as mais graves são as neurológicas (paraplegia dos membros inferior e demência) e cardiovasculares (aneurisma da artéria aorta), que podem levar até à morte”, alerta Geraldo.

Continua depois da publicidade


O tratamento depende de injeções intramusculares de penicilina benzatina. Contudo, a sífilis não confere imunidade contra novas infecções, o que significa que, toda vez que o indivíduo é exposto ao Treponema pallidum, corre o risco de contaminar-se outra vez. "Não há vacina contra a doença, mas o tratamento é eficiente se realizado com o medicamente correto, no momento e pelo período adequado”, reforça o médico.


No caso de mulheres grávidas, a situação é ainda mais alarmante. Segundo o ginecologista, 40% das crianças cuja mãe é portadora da doença sem tratamento morrem ainda no útero. Outros 40% nascem com sífilis congênita e apenas 20% vem à luz sem o estigma da doença. Os infectados podem desenvolver alterações ósseas, dentárias e até neurológicas (a chamada neurossífilis). Até os primeiros dois anos de vida, a sífilis congênita tardia pode ser silenciosa, evidenciando-se após esse período e agravando-se ao longo do tempo.

Nesse contexto, o médico Geraldo alerta: "A transmissão pelo sexo pode se dar por qualquer tipo de contato, seja genital, anal ou oral. Por isso, o ideal é ter uma conversa franca com o(a) parceiro(a) e nunca abrir mão do preservativo”.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade