Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Saiba mais

Silenciosa e gradual, Hepatite C é a mais perigosa

Redação Bonde com assessoria de imprensa
17 jul 2013 às 14:44
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

São dez mil novos casos por ano, de acordo com o ministério da Saúde. Cerca de 3 milhões de pessoas, no Brasil, possuem a doença, a maioria delas sem saber que tem. Silenciosa, ela destrói o fígado e pode provocar em longo prazo cirrose e tumores.

A hepatite C ainda não possui uma vacina específica, mas os novos medicamentos criados para tratar a patologia são eficientes. "Os inibidores de protease [enzima] têm sido incluídos no tratamento contra a hepatite C com grandes perspectivas de aumentar os índices de cura e redução de complicações da doença", detalha o infectologista-chefe do Hospital Villa-Lobos, Cláudio Gonsalez.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A eficácia das novas medicações pode chegar a 80%. Dia 28 de julho foi a data escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para marcar o Dia Mundial de Luta contra a Hepatite. A forma de identificação da doença é por meio do Anti-HCV, um exame de sangue específico que detecta a presença de anticorpos contra o vírus no organismo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saúde mental e física

Dieta rica em gordura pode levar à ansiedade, diz estudo brasileiro

Imagem de destaque
Aumento do bem-estar

Auxílio para pessoas com transtorno mental é reajustado para R$ 755

Imagem de destaque
Solução alternativa

Cinco chás que ajudam a regular desordens menstruais

Imagem de destaque
Não é mito

Episódio de raiva aumenta o risco de ataque cardíaco 40 minutos após o evento, mostra estudo


Uma vez diagnosticada a patologia, o poder público arca com as despesas. "O Estado banca toda a medicação necessária para os pacientes que necessitam de tratamento conforme normas pré-definidas", lembra Gonsalez.

Publicidade


A principal diferença entre a hepatite C e os outros tipos diz respeito ao vírus que provocou a infecção. No entanto, as formas de contaminação são diferentes. "Na hepatite A a transmissão ocorre através da ingestão de alimentos ou água contaminada, na B a transmissão se dá da mesma forma que a C, porém, com muito maior facilidade", resume o especialista.


A principal forma de contaminação da hepatite C é através de secreções e fluídos corpóreos (sangue e secreções sexuais). O médico ressalta ainda que há outras formas de contágio, embora menos frequentes. "É possível a transmissão transplacentária ou mesmo no aleitamento", conta.


O médico explica que a ação do vírus da hepatite C é lenta e, na maioria das vezes, assintomática. "O processo evolutivo [da doença] resulta em destruição parcial do fígado. Essa destruição promove uma tentativa de reparação com substituição do tecido destruído por um cicatricial, o qual não tem as mesmas funções do original", observa o infectologista.

Segundo ele, essa destruição maciça do tecido original leva a uma restituição parcial, o que pode provocar perda da função hepática, levando a doenças como a cirrose. A evolução lenta da doença e o fato da infecção por hepatite C não aparecer em exames de rotina pode levar as pessoas contaminadas a descobrirem a patologia tardiamente. "Pode-se viver a vida toda com hepatite C sem que se tenha nenhum sintoma, porém, algumas pessoas podem em 20 a 30 anos após ter contraído a doença, apresentarem sintomas como cirrose, com insuficiência hepática e hepatocarcinoma (câncer)", explica o médico.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade