Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Saiba mais

Incorporada no SUS, terapia para epilepsia grave não é disponibilizada após 5 anos

Ana Bottallo - Folhapress
12 nov 2023 às 11:46
- Arquivo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Cinco anos após sua incorporação ao SUS (Sistema Único de Saúde) pela Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS), a terapia de estimulação elétrica do nervo vago (VNS, na sigla em inglês) segue sem ser disponibilizada aos pacientes com epilepsia grave e que não respondem aos remédios ou cirurgia existentes.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Em setembro de 2018, a comissão, responsável por definir o rol de tratamentos no SUS, aprovou a VNS para adultos ou crianças com epilepsia refratária, focal ou generalizada a pelo menos dois esquemas com medicamentos anticonvulsivantes, isto é, naqueles em que os tratamentos tradicionais para epilepsia não apresentam eficácia.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Em geral, após a incorporação, o Ministério da Saúde tem o prazo de 180 dias para disponibilizar a nova terapia após a publicação no DOU (Diário Oficial da União). No entanto, passados mais de 1.800 dias, os pacientes e familiares seguem na luta para acessar o tratamento no serviço público.

Publicidade


"É um desrespeito ao público, aos médicos, aos pacientes, cria uma falsa esperança de melhora. A resposta que recebemos é sempre que está em avaliação, mas nunca vem uma resposta definitiva", afirma Maria Alice Mello Susemihl, presidente da ABE (Associação Brasileira de Epilepsia).


Em nota enviada à reportagem, o Ministério da Saúde disse que atua com os esforços necessários para efetivar o acesso ao procedimento da VNS. "Contudo, a referida disponibilização representa um grande desafio, tendo em vista que os preços atualmente praticados pela empresa encontram-se em patamares superiores àqueles considerados pela Conitec na ocasião da sua recomendação."

Publicidade


Disse, ainda, que as alterações de preço modificaram a relação de custo-efetividade da tecnologia, "ou seja, os pressupostos de eficiência do dispositivo no contexto do SUS não são mais os mesmos." "O Ministério da Saúde busca soluções para a questão, tendo em vista sua complexidade e a necessidade de oferta do procedimento nos hospitais previamente autorizados com fatuamento de AIH (Autorização de Internação Hospitalar)".


A epilepsia é uma condição neurológica na qual, devido a lesões no tecido cerebral, o paciente pode apresentar convulsões e desmaios. Segundo os especialistas, a epilepsia tem múltiplas causas, com um provável componente genético, mas também pode surgir após traumas e acidentes cerebrais, como AVCs (acidentes vasculares cerebrais), traumas sofridos durante o parto, tumores, dentre outros.

Publicidade


Já a terapia VNS é indicada somente para aqueles pacientes em que os tratamentos convencionais, que em geral são medicações anticonvulsivantes ou cirurgia, não funcionam. Com uma incisão na região do pescoço e tórax, faz-se o implante de um pequeno condutor com eletrodos que estimula eletricamente o nervo vago, levando os impulsos até a região cerebral afetada pela epilepsia.


Cerca de 3% a 4% da população tem epilepsia, ou 6 milhões de brasileiros. No entanto, aproximadamente 65% destes conseguem controlar com medicação, explica a neurologista do Hospital das Clínicas da USP, Carmen Lisa Jorge.

Publicidade


"Para os demais, há em torno de 30% que são aptos para a chamada cirurgia receptiva, que é a retirada da parte do cérebro lesionada, o que reduz as convulsões. Então os pacientes que teriam indicação para a modulação cerebral profunda [outra técnica similar à VNS] são um terço do restante que não pode fazer cirurgia e, destes, aproximadamente 10% podem usar o aparelho", afirma.


Para Susemihl, da ABE, a demora aumenta ainda mais o risco de vida desses pacientes, que já é elevado para problemas cardiológicos e até risco de morte súbita. "O paciente com indicação para VNS é, via de regra, gravíssimo. Então você aumenta ainda mais esse risco", avalia.

Publicidade


A proporção de pessoas no Brasil com indicação para VNS e com epilepsia grave seria em torno de 30 mil. Em resposta à ABE, o Ministério da Saúde havia informado que uma dificuldade para a disponibilidade da VNS seria o seu custo elevado, de aproximadamente R$ 150 mil.


"Novamente, se o Ministério da Saúde fizer a compra centralizada, acredito que será muito mais barato, então seria também benéfico a todos os pacientes que arcam com os custos da cirurgia e do implante", diz Jorge.

Publicidade


Para as famílias que aguardam a terapia, porém, cada mês conta. A laboratorista têxtil Graziela Fantazia, 45, e o eletricista Edvaldo Santos e Souza, 50, pais dos gêmeos Mateus e Miguel, 12, já buscaram diversas formas de acesso à VNS via SUS, sem sucesso.


Os irmãos nasceram com 34 semanas de gestação, considerado prematuro, e, por complicações durante o parto, Mateus teve uma parada cardiorrespiratória e ficou 54 dias internado, o que levou a uma paralisia cerebral. O irmão, Miguel, esteve sob observação pelos primeiros 15 dias após o nascimento, mas não apresentou complicações graves.


Mateus passou por diferentes especialistas e tratamentos, mas nenhuma medicação parecia melhorar o seu quadro, com até 30 crises por dia.


Em 2020, ele fez o implante da VNS, já após a sua incorporação no SUS. No entanto, o procedimento foi realizado na rede privada com o plano de saúde do pai. "Foi a primeira vez que vimos uma melhora de fato, foi nítido. Ele chegou a dar uns passos, a gente conseguia andar com ele", disse a mãe.


A troca de emprego fez com que a família perdesse o convênio. Desde então, os pais sofrem pela demora em conseguir realizar a troca do aparelho que dura, em média, cinco anos. A bateria de Mateus já está em 25%, o suficiente para o uso até, no máximo, final deste ano.


"Cada um joga a gente para um lado. No posto de saúde, dizem para entrar com um pedido na Secretaria Municipal de Saúde, na Secretaria, nem atendem a gente. Entrei com um pedido junto à Defensoria Pública do Estado de São Paulo que encaminhou para a Prefeitura de Mauá e estou aguardando, desde o dia 30 de outubro. O prazo que eles deram é de 20 dias", conta a laboratorista.


A espera para ela que, há pouco mais de três anos, viu o filho dar os primeiros passos, é angustiante. "Como ele precisa de cuidado 24 horas, eu fico aflita, porque ele nunca conseguiu passar por uma fase de estabilidade, só com a VNS."


Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde de Mauá informou que o caso de Mateus está sendo atendido pela Fundação de Santo André, e não em Mauá.


Imagem
Excesso de expectativa pode atrapalhar resultado do candidado no Enem
Tomar decisões não é uma tarefa fácil, seja em relação àquele emprego que você não gosta
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade