Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Sábado no Paraná

Mulheres organizam protesto em favor do parto em casa

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
13 jun 2012 às 14:49
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

No próximo final de semana, mulheres de 13 cidades brasileiras vão protestar nas ruas pelo direito de escolher o local de nascimento dos filhos no momento do parto. No Paraná, a Marcha do Parto em Casa será realizada em Curitiba, no sábado (16) às 11h, na Boca Maldita.

O protesto está sendo organizado em resposta ao Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, que informou na última segunda-feira (11), que irá denunciar o médico-obstetra, Jorge Kuhn, por ter se posicionado favorável ao parto domiciliar.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O médico-obstetra e professor da UNIFESP defende que o domicílio é como um local seguro para o nascimento de bebês de mulheres saudáveis com gestações de baixo risco, segundo recomendação da própria Organização Mundial de Saúde.

Leia mais:

Imagem de destaque
Aparelhos adulterados

Análise encontra anfetamina na composição de cigarros eletrônicos em SC

Imagem de destaque
Pressão estética

Valesca Popozuda diz que fez procedimento estético que não deu certo

Imagem de destaque
Racismo estrutural

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Imagem de destaque
Qdenga

Vacina da dengue volta a ser aplicada em laboratórios particulares


De acordo com estudo apresentado pela organização da marcha, mais de 300 mil mulheres planejaram dar à luz em casa enquanto pouco mais de 160 mil tinham a intenção de dar à luz em hospital. Não houve diferenças significativas entre partos domiciliares e hospitalares planejados em relação ao risco de morte intraparto, morte neonatal precoce e admissão em unidade de cuidados intensivos.

"Entre as reivindicações, além da defesa pelo direito à liberdade de escolha, pela humanização do parto e nascimento e pela melhoria das condições da assistência obstétrica e neonatal no país, também está a denúncia às altas taxas de cesarianas que posicionam o Brasil entre os primeiros colocados do ranking mundial", acrescenta a organização do evento.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade