Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alerta

OMS diz que Ebola pode contaminar até 10 mil por semana

Agência Estado
15 out 2014 às 11:02
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Organização Mundial da Saúde (OMS) admite que, até dezembro, entre 5 mil e 10 mil novos casos do Ebola serão registrados por semana no mundo. E aponta que 70% dos contaminados não sobrevivem, acima das taxas dos últimos dois meses.

O alerta surge justamente no momento em que a entidade inicia a implementação de um plano para que, em dois meses, 70% dos pacientes possam ser atendidos na África. Hoje, menos de 30% recebem auxílio. Os dados também foram publicados no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou para o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e para o presidente da França, François Hollande, para falar do surto.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O comunicado oficial aponta que Obama e Ban estabeleceram um "compromisso" por uma "resposta mais robusta e o rápido fornecimento de ajuda pela comunidade internacional". O mesmo tom foi usado após a conversa entre Obama e Hollande. Ambos prometeram "aumentar" os esforços para combater a doença.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Letalidade

Publicidade


Até ontem, pelo menos 8,9 mil pessoas haviam sido contaminadas pela doença. As mortes oficialmente registradas superam 4,4 mil. Mas o que surpreende a OMS é que a taxa de mortalidade subiu de 55%, em julho, para cerca de 70% em outubro. O vírus, em outros surtos, chegou a matar até 90% dos infectados.


"Vamos chegar muito rapidamente a 10 mil casos", declarou Bruce Aylward, subdiretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), que admite que o número real de infectados hoje deve ser duas vezes superior aos números oficialmente registrados. "Se não aumentarmos o atendimento, muita gente vai morrer", alertou.

Publicidade


Há dois meses, a OMS estimava que um total de 20 mil pessoas seriam afetadas. "Quando eu anunciei 20 mil, as pessoas me criticaram por criar terror", disse o executivo. "Claramente, esse surto vai superar a marca dos 20 mil."


Comportamento

Publicidade


Do lado positivo, porém, a OMS comemora a desaceleração de casos em locais considerados como epicentros da doença. O motivo seria uma mudança no comportamento das populações, além de maior controle em enterros de vítimas. Outra notícia positiva é que a OMS vai decretar, no dia 17 e no dia 20, o fim da epidemia no Senegal e na Nigéria. A entidade esperou 42 dias desde o último caso registrado nesses países, duas vezes o período de incubação do vírus.


"Por três semanas, temos visto que o número de novos casos aumenta em cerca de mil. Mas não podemos dizer que isso é uma estabilização", alertou o representante da OMS. "Dizer que há uma desaceleração é tirar conclusões erradas do que está acontecendo."

Publicidade


Segundo ele, um dos eventuais motivos para a estabilização dos números pode ser a incapacidade dos laboratórios de registrar novos casos.
Para reverter a curva, portanto, a entidade espera que, em dezembro, exista uma capacidade instalada de médicos e infraestrutura capaz de atender 70% dos pacientes, isolando-os. Só que falta dinheiro.


Do plano de US$ 1 bilhão para frear a doença, apenas US$ 22 milhões foram de fato depositados nas contas da entidade. "Não há muito dinheiro entrando", declarou Aylward. Segundo ele, enquanto não houver dinheiro "não há como vencer o vírus".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade