Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Malefícios

País proíbe as vendas de Coca-Cola Zero

BBC Brasil
11 jun 2009 às 14:50
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governo da Venezuela proibiu, nesta quarta-feira (10) a venda do refrigerante Coca-Cola Zero no país e ordenou que a multinacional Coca-Cola retire o produto de circulação, alegando que o refrigerante seria prejudicial à saúde.

Sem apresentar detalhes, o ministro da Saúde, Jesús Mantilla, afirmou que o refrigerante possui componentes na fórmula que supostamente seriam prejudiciais ao organismo.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"O produto deve sair de circulação para preservar a saúde dos venezuelanos", afirmou Mantilla.

Leia mais:

Imagem de destaque
Dia Nacional de Combate ao Glaucoma

Monitoramento de Glaucoma evitou cegueira em 300 mil brasileiros

Imagem de destaque
Onda de frio

Saiba quais são as doenças respiratórias do outono e como se proteger

Imagem de destaque
Entenda

Wanessa Camargo alerta seguidores após contrair rotavírus dos filhos

Imagem de destaque
Líder no Brasil

Testes positivos para dengue chegam a 41% em laboratórios privados do Paraná


A medida foi tomada depois de uma inspeção realizada na filial da empresa Coca-Cola Femsa na Venezuela, que é a segunda maior engarrafadora da Coca-Cola no mundo, de acordo com informações disponíveis na página eletrônica da empresa.

Publicidade


O ministro da Saúde ordenou à Coca-Cola que suspenda as vendas do refrigerante e recolha todos os produtos que já estão nos estabelecimentos comerciais.


Por meio de um comunicado divulgado na noite desta quarta-feira, a Coca-Cola Femsa da Venezuela declarou que a Coca-Cola Zero "não contém nenhum componente que possa ser prejudicial à saúde das pessoas".

Publicidade


Empresa também afirmou que, enquanto o governo conclui o processo administrativo, suspenderá a produção do refrigerante e retirará o produto de toda a rede de vendas da Venezuela.


Enfrentamentos

Publicidade


Essa não é a primeira vez que o governo venezuelano enfrenta a Coca-Cola.


Em março, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu que a empresa saísse de um terreno no oeste da capital, Caracas, para que o governo pudesse construir casas populares na área.


A empresa também foi alvo de uma extensa greve no ano passado, que resultou em perdas milionárias para a Coca-Cola.

Os empregados chegaram a tomar algumas sucursais da empresa, exigindo o pagamento de dívidas trabalhistas atrasadas, entre outras reivindicações.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade