Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
156% de ocupação

Superlotação de leitos de enfermaria Covid-19 obriga HU de Londrina a fechar pronto-socorro

Vitor Ogawa - Grupo Folha
23 fev 2021 às 19:31
- Gustavo Carneiro/Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A superlotação dos leitos de enfermaria Covid-19 do HU (Hospital Universitário) de Londrina, com 156% de ocupação, obrigou a direção a fechar o atendimento pronto-socorro médico. A medida vigorou desde o meio-dia de terça-feira (23) e estava prevista para até a meia-noite do mesmo dia. A direção esclareceu que o fechamento por 12 horas do Pronto Socorro Médico é uma medida administrativa para organizar internamente o serviço, visando realizar os remanejamentos internos de pacientes para liberar leitos para os novos casos.


A direção justifica a medida quando a taxa de ocupação dos leitos na Unidade de Pronto-socorro Médico se encontra acima de 100%, e os demais leitos do hospital também estão ocupados. "Sendo assim, é preciso aguardar os pacientes de alta saírem, para transferir os pacientes do pronto-socorro para as unidades de internação, liberando leitos para novos atendimentos", diz a nota.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O texto da nota emitida pelo hospital diz ainda que no período em que o Pronto-socorro Médico estiver fechado para a movimentação interna, a Central Estadual de Regulação de Leitos e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência estarão gerenciando as demandas conforme a necessidade.

Leia mais:

Imagem de destaque
Boletim semanal

Londrina registra mais sete mortes por dengue e 1,3 mil novos casos confirmados

Imagem de destaque
Zona oeste

Em Londrina, UPA Sabará deixa de ser exclusiva para dengue a partir desta quarta

Imagem de destaque
Saiba mais

Brasil espera recuperar certificado de eliminação do sarampo no 2º semestre

Imagem de destaque
Prevenção e cuidado

Médicos alertam gestantes a respeito da importância da vacinação no pré-natal


A diretora clínica do HU, Luiza Kazuko Moriya, explicou que não é fechamento completo. "Esses pacientes com Covid-19 moderados e graves dificilmente serão encaminhado para outros hospitais. Essa patologia tem permanência longa e ficam de 7 a 30 dias internados. O HU recebe pacientes assim todos os dias e não consegue dar vazão, porque o tempo de internação é longo e vai acumulando no pronto socorro. Isso dificulta proporcionar um melhor atendimento para qualquer paciente."


Continue lendo na FOLHA:

Segundo ela, o aumento da ocupação dos leitos deve ser reflexo do carnaval e aglomerações


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade