Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
OMS afirma

Uma a cada 5 crianças fica fora da cobertura de vacinação

Redação Bonde
18 ago 2015 às 15:29
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma a cada cinco crianças no mundo não recebe as vacinas rotineiras e anualmente 1,5 milhão morrem por doenças para as quais poderiam ter sido vacinadas, segundo afirmou Philippe Duclos, representante do departamento de vacinação da OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta terça-feira (17).

Ao todo, 18,7 milhões de crianças menores de um ano não receberam a vacina contra a difteria que recomendamos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A organização demonstrou preocupação com a onde de resistência às vacinas, um dos obstáculos para que sejam alcançadas as metas de imunização, apesar de haver disponibilidade de vacinas. Não existe um perfil de classe social, origem nacional ou étnica que rejeite as vacinas mais que outro, já que - segundo informou Duclos - um alto nível de educação não significa uma aceitação automática das vacinas. Também não depende do nível socioeconômico do país.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Suspeita de dengue

Postos de saúde da zona sul de Londrina tiveram movimento intenso neste sábado


Fortes ondas de rejeição foram identificadas no passado em uma região do Reino Unido, onde chegou a se disseminar a crença de que certas vacinas causavam graves doenças neurológicas em crianças. O representante da OMS também mencionou o caso mais atual de rejeição à vacina contra a hepatite B na França, mas reconheceu que a entidade não conta com estimativas sobre o nível de rejeição existente nesse e em outros países.

Publicidade


Duclos explicou que a rejeição às vacinas pode ser atribuída a vários fatores, como crenças baseadas em mitos, desinformação, desconfiança nos profissionais de saúde ou no sistema de saúde, influência dos líderes comunitários, custos e barreiras geográficas. Até mesmo o medo de agulhas é um fator, por isso a OMS emitirá em breve uma série de recomendações para que a dor no momento da injeção seja reduzida.


Não existe uma estratégia única, mas é possível recorrer à participação de líderes influentes para promover a vacinação nas comunidades, à mobilização social, à imprensa, assim como melhorar o acesso à vacinação.

A vacinação em nível mundial é de 86% e o objetivo da OMS é que esse número chegue a 90% até o fim deste ano.
(com informações dos site R7)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade