Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Zona Norte é a segunda

Pela primeira vez, área central de Londrina lidera o ranking de infestação de dengue

Caroline Knup - Especial para o Portal Bonde
09 nov 2023 às 12:58
- Vivian Honorato/Arquivo N.Com
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O sinal de alerta para a dengue continua aceso em Londrina, no Norte do Paraná. Isso é o que mostra o 4º LIRAa (Levantamento de Infestação do Aedes aegypti), divulgado na manhã desta quinta-feira (9) pela Secretaria Municipal de Saúde.


Os dados coletados entre os dias 16 e 20 de outubro de 2023 mostram que a infestação vetorial predial é de 2,93%, o que significa que, a cada 100 imóveis inspecionados, quase 3 apresentavam criadouros do mosquito. O número corresponde à média de todas as regiões do Município e, conforme a classificação do Ministério da Saúde, o risco entomológico da cidade é de alerta.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Nesta edição do levantamento, a área central de Londrina foi destaque, já que, pela primeira vez, lidera o ranking de infestação, com 3,57%, já que, dos 1.092 imóveis inspecionados, 39 apresentavam focos do mosquito.

Leia mais:

Imagem de destaque
Cuidado redobrado

Uso de antidepressivo e analgésico pode provocar acidentes de trânsito, alerta associação médica

Imagem de destaque
Vacina salva vidas

OMS alerta para aumento de casos de sarampo no mundo

Imagem de destaque
Londrina e Apucarana lideram casos

Paraná anota 8,4 mil novos casos de dengue; Londrina registra óbito pela doença

Imagem de destaque
196 mil casos em 2024

Casos de Covid sobem nas primeiras semanas do ano no Brasil


A Zona Norte aparece na sequência, com 3,45% de índice de infestação. Na região, 2.641 imóveis foram inspecionados e, desses, 91 contavam com focos do Aedes aegypti. Os terceiro, quarto e quinto lugares são ocupados, respectivamente, pelas regiões Oeste (2,88% de índice), Leste (2,51% de índice) e Sul (2,27% de índice).

Publicidade


O coordenador de Controle de Endemias de Londrina, Nino Medeiros Ribas, destaca, contudo, que as regiões com maior prevalência dos focos do mosquito não são, necessariamente, as áreas que mais registram casos de dengue. "O estado de alerta é para toda a cidade, não para uma região em específico, porque o mosquito já mostrou que tem se adaptado e que se desloca entre os bairros", pontua.


Imagem
Londrina segue liderando em maior número de casos de dengue
O novo boletim epidemiológico da dengue, divulgado nesta terça-feira (10) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), aponta que o Paraná soma 1.495 casos confirmados da doença


BAIRROS

Publicidade


Ao considerar os bairros do Município, o Jesualdo Garcia, situado na Zona Leste, ocupa o primeiro lugar do ranking de infestação de mosquitos, com 28,57%. Na sequência, aparecem os bairros Nossa Senhora Aparecida (22,86%), Europa (17,95%), Quati (16,67%) e Maringá (15,38%).


Conforme os dados coletados pelo 4º LIRAa, quase 100% dos criadouros de larvas e pulpas do mosquito transmissor da dengue estão localizados nas residências, seja no interior das casas ou nos quintais.

Publicidade


De acordo com o levantamento, 91% dos focos estão presentes em objetos em desuso jogados no quintal, bem como em vasos de planta e na água da chuva que fica armazenada. Os outros 9%, por outro lado, estão em objetos dentro da própria residência.


"Muitas pessoas pensam que a maior parte dos criadouros dos mosquitos está nos fundos de vale e nos terrenos baldios, mas precisamos chamar atenção para o número de focos encontrados nas casas e nos prédios. Existem, inclusive, áreas verticalizadas que registraram um alto índice. Isso chama atenção para a necessidade de a população cuidar de seus quintais", defende Ribas. 

Publicidade



AÇÕES DESENVOLVIDAS


O coordenador de Controle de Endemias destacou que a população tem um papel essencial no controle de infestação do mosquito transmissor da dengue. Contudo, Ribas pontuou que a Secretaria Municipal de Saúde tem buscado soluções para o problema, que é recorrente em Londrina.

Publicidade


"Uma equipe de Endemias esteve em Brasília em uma reunião com o Ministério da Saúde para discutir novas tecnologias e soluções para a cidade. Já temos algumas ações colocadas em prática, como a entrega de tablets para os agentes, que vão substituir os formulários de papel, os mutirões de limpeza junto à CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização), as atividades socioeducativas com as crianças da educação municipal e as ações em conjunto com a comunidade", destaca.


MOSQUITOS ESTÉREIS

Publicidade


Uma das tecnologias citadas por Ribas é o projeto-piloto de soltura de mosquitos machos estéreis nos conjuntos Mister Thomas, na zona leste, e Jamile Dequech, na zona sul. Os insetos começaram a ser soltos em julho deste ano e a previsão é que, até o final de dezembro, cerca de seis milhões de mosquitos estejam livres.


Os locais de soltura dos insetos foram selecionados após a avaliação de uma série de fatores. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, o número de casos de dengue nos bairros Mister Thomas e Jamile Dequech, bem como a presença de áreas e terrenos vazios, fizeram com que as localidades fossem escolhidas para o teste.


Imagem
Dengue: Saúde vai soltar 6 milhões de mosquitos machos estéreis até o final do ano em Londrina
O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, anunciou na manhã desta quinta-feira (22) que Londrina terá um novo projeto-piloto de enfrentamento à dengue.


"O objetivo é conseguir fazer a substituição gradativa do mosquito normal pelo mosquito estéril, porque, assim, conseguimos diminuir consideravelmente a circulação da doença no município", detalha o secretário.


A expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é que, em um período de seis meses, o projeto-piloto auxilie na redução do número de mosquitos que transmitem a dengue. A estratégia é executada em parceria com a Forrest Brasil Tecnologia e já foi testada em outras cidades do Paraná, como em Jacarezinho, no Norte Pioneiro.


De acordo com o coordenador de Controle de Endemias, ainda não há resultados para serem divulgados, mas, em breve, novas informações serão fornecidas à população. "A Secretaria de Saúde e a empresa parceira estão fazendo as análises e, como o projeto vai até dezembro, ainda vamos organizar a divulgação dos dados."


Além dessa ação, Ribas destacou que, durante a reunião da equipe de Endemias com o Ministério da Saúde, outras soluções foram apontadas, como a estratificação de risco, as armadilhas ovitrampas, as estações disseminadoras de larvicida e a soltura de mosquitos com a bactéria Wolbachia, que impede que os vírus da dengue, zika e chikungunya se desenvolvam.


A DENGUE EM LONDRINA


Até o dia 7 de novembro, Londrina acumulava, desde o dia primeiro de janeiro deste ano, 41.421 casos positivos de dengue, entre um total de 61.202 notificações por suspeita da doença. Deste total, 15.234 foram descartadas e 4.547 estavam em processo de análise. O número de óbitos pela doença no município, até a data citada, era de 29.


Imagem
Londrina e Foz do Iguaçu são escolhidas para teste de novo método contra a dengue
Entre os seis municípios selecionados para a ampliação do Método Wolbachia no Brasil, dois são do Paraná. Londrina e Foz do Iguaçu
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade