Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Funcionamento

A pílula do dia seguinte é um abortivo?

Sexo&Comportamento-Folha de Londrina
10 jun 2009 às 20:20
A pílula do dia seguinte é um método de emergência usado em situações excepcionais. - Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A pílula do dia seguinte é um método de emergência usado em situações excepcionais quando outros métodos não puderam ser usados. Portanto, não é um método de uso rotineiro.

O mecanismo de ação pode ser pela inibição ou retardo da ovulação, mas pode também atrapalhar o transporte do óvulo e a capacitação do espermatozóide. Outra forma de ação é causar a interferência na implantação de um embrião, o que poderia provocar um aborto.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A dose recomendada, de dois comprimidos, é equivalente a 15 pílulas anticoncepcionais comuns, portanto, este método deve ser usado com muita cautela em mulheres predispostas a doenças circulatórias.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fique atento!

Comportamento de risco aumentou infecções sexualmente transmissíveis

Imagem de destaque
Antes do Carnaval?

Programas focados em abstinência sexual não são eficazes, diz SBP

Imagem de destaque
Saiba mais

Evento em Londrina discute vida sexual em relacionamentos longos

Imagem de destaque
Saúde do homem

Você sabia que colesterol alto pode levar à impotência?


A pílula precisa ser ingerida o mais precocemente possível, pois, após 24 horas, somente 85% das gestações são evitadas, e, após 48 horas, somente 58%. Os efeitos colaterais mais comuns são náuseas, fadiga, cefaléia, dor abdominal e sensibilidade mamária.

Publicidade


Mitos e Verdades


– É verdade que para comprar pílula do dia seguinte é necessário apresentar receita médica, embora existam casos de venda em farmácias sem a exigência da prescrição. Em qualquer caso, é imprescindível receber orientação médica antes de utilizar o medicamento.


– Algumas pessoas acreditam que se a pílula do dia seguinte for usada diversas vezes ela pode perder o efeito. Ela não perde o efeito, mas se usada como único método anticoncepcional o risco de engravidar aumenta. Se for ingerida 24 horas depois da relação sexual, o risco de engravidar é de 15%, já a pílula anticoncepcional comum apresenta média de 0,1%.

Calvino Coutinho Fernandes, ginecologista e terapeuta sexual


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade