Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Relacionamento

Beijo: uma rotina que faz bem

Sexo&Comportamento-Folha de Londrina
05 jun 2009 às 22:38
Para o sexo não esfriar é preciso criatividade. - Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Alguns casais costumam diminuir a frequência sexual após alguns anos de casamento. Parece que algo esfriou entre eles, e assim vão se acostumando com sua rotina sexual.

Essa história de achar que o sexo acaba quando se casa não é verdadeira. Alguns casais mantêm a chama da intimidade ao longo dos anos e continuam sua vida sexual como no início.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


É preciso questionar como estão as coisas fora da cama: se a rotina é apenas sexual ou se de um modo geral esse casal se acomodou em suas próprias vidas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fique atento!

Comportamento de risco aumentou infecções sexualmente transmissíveis

Imagem de destaque
Antes do Carnaval?

Programas focados em abstinência sexual não são eficazes, diz SBP

Imagem de destaque
Saiba mais

Evento em Londrina discute vida sexual em relacionamentos longos

Imagem de destaque
Saúde do homem

Você sabia que colesterol alto pode levar à impotência?


Às vezes o casal entra sem perceber em uma rotina de vida. Dedicação demais aos filhos, preocupação com as contas no final do mês, excesso de trabalho, e é aí que mora o perigo.

Publicidade


Aonde entra o lazer na vida desse casal? Como anda sua intimidade? Um dos termômetros mais importantes é o beijo na boca. Quando o casal pára de se beijar, algo entre eles não está indo muito bem.


Uma pequena atitude pode mudar tudo isso. O prazer não deve ser buscado apenas na cama, mas sim fora dela também. Namorar mais, sentar perto no sofá, levar o café na cama e trocar carícias não apenas na hora do sexo são temperos que ajudam a manter a intimidade em dia.


Para o sexo não esfriar é preciso criatividade. Conversar com o(a) parceiro(a), sair para jantar, dançar, escutar o que o outro gosta. Deixar o estresse da vida e fazer uma atividade juntos, desde uma caminhada no fim da tarde, até mesmo dançar no final de semana.

Lucianne Fernandes, psicóloga clínica especialista em Sexualidade Humana


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade