03/08/21
Quebrando tabus

Como tratar a sexualidade na pessoa com deficiência?

A sociedade em geral tem um forte preconceito quando o assunto é sexo entre os portadores de deficiência física

A sexualidade da pessoa com deficiência implica em duplo tabu. Ela assume, muitas vezes, um preconceito entre pessoas que generalizam as incapacidades e limites existentes ao longo do desenvolvimento dessas pessoas com deficiência para a dimensão afetiva e sexual inerente a todo ser humano.

Ao conceituar sexualidade e deficiência, envolvemos questões complexas que englobam aspectos biológicos, psicológicos e sociais. A sexualidade é uma questão abrangente, que tem fundamentos históricos e sociais, e a deficiência, na mesma direção, também abrange um conceito social e histórico, que delimita e julga a diferença em relação a um padrão de normalidade estabelecido ideologicamente. Essa reflexão cabe para todos os tipos de deficiências (sensorial, física e mental).

No entanto, não existe uma sexualidade ''anormal'' relacionada à deficiência mental. O que existe, muitas vezes, é a manifestação inadequada da sexualidade num meio social que julga esses comportamentos como próprios da deficiência, sem considerar que os ambientes familiar e escolar não proporcionam, muitas vezes, condições de aprendizado de comportamentos adequados em relação à manifestação afetiva e sexual. Vale lembrar que desde a infância os pais devem compreender que seus filhos com deficiência mental são pessoas com desejos e prazeres e não eternas crianças, puras e assexuadas.

Já no contexto da surdez não se pode deixar de falar da escola e do quanto ela contribui para a construção dos conceitos ligados à sexualidade, ao preconceito, diferenças, intolerância, ao respeito e ao sexo. Esses são assuntos que permeiam as relações que se estabelecem dentro das escolas e estão ligados aos novos paradigmas que essa escola para todos vem construindo e desconstruindo.

É preciso, então, encarar essas inovações educacionais como sendo parte de um processo de educação de qualidade para todos e respeitar a diversidade humana. O reconhecimento da diferença é o primeiro passo para a construção da sexualidade do surdo na comunidade ouvinte que o circula.

Mitos e Verdades

- Mito: a sexualidade da pessoa com deficiência mental é infantil ou inexistente

- Verdade: é importante investir na educação sexual da pessoa com deficiência, pois o desenvolvimento da sexualidade ao longo das diferentes fases da vida (infância, adolescência, idade adulta e avançada) deve ser entendido como um fenômeno que vai ocorrer para todas as pessoas, sejam deficientes ou não

Ricardo Desidério da Silva é professor mestrando e educador sexual

[email protected]
Sexo e Comportamento - Folha de Londrina
Continue lendo
Boletim diário

Com mais oito óbitos pelo coronavírus, Londrina atinge 1.889 registros

03 AGO 2021 às 18h45
Imunização

Londrina: 300 mil já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid

03 AGO 2021 às 18h15
Boletim diário

Maringá confirma mais quatro mortes e 164 casos do coronavírus

03 AGO 2021 às 17h38
Boletim diário

Paraná confirma mais 141 mortes e 3.069 infectados pelo coronavírus

03 AGO 2021 às 15h38
Chegou a hora

População de 32 anos recebe primeira dose da vacina nesta quinta em Cambé

03 AGO 2021 às 14h13
Boletim diário

Arapongas tem 16 novos casos e duas mortes por covid-19

03 AGO 2021 às 09h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados