11/12/19
º/º
Climatério

Mulheres não devem deixar prazer sexual na menopausa

Estudos indicam que cerca de 50% das mulheres apresentam disfunções sexuais no período em que deixam de menstruar

Assim como existe um nome para a primeira menstruação da mulher, conhecida tecnicamente como menarca, a última é chamada de menopausa. O período que antecede a menopausa é conhecido como climatério.

Na maioria dos casos, as mulheres entram no climatério por volta dos 45 anos e o seu término se dá aos 65 anos de idade, culminando com a menopausa.


Neste período são observadas alterações hormonais importantes, ocasionando sintomas que vão desde ondas de calor com transpiração excessiva ao aparecimento de problemas sexuais.

Para muitas mulheres, a função sexual diminui significativamente durante o climatério e mais ainda com chegada da menopausa. Segundo dados apresentados no XI Congresso Mundial de Menopausa, realizado em Buenos Aires no ano de 2005, a prevalência de disfunção sexual entre as mulheres de meia de idade tem sido relatada como acima de 50%.

As queixas de dor na penetração, decorrentes das alterações hormonais, geram dificuldades na manutenção da excitação, diminuindo ainda mais a lubrificação vaginal, consequentemente, reduzindo as possibilidades para se alcançar o orgasmo e por conta disto, diminuindo ou inibindo o desejo sexual.

A partir destas informações, uma pesquisa sobre a satisfação sexual em mulheres com a chegada da menopausa, intitulada ''A influência do uso do tonificador na consciência do assoalho pélvico das mulheres na menopausa'', foi desenvolvida. O trabalho foi feito com mulheres com disfunção orgástica, com dificuldade em ter orgasmos, com idade média de 52 anos.

Essas mulheres receberam kits compostos por três tonificadores de diferentes pesos e diâmetros e foram orientadas a fazer exercícios diários de contração e relaxamento da musculatura do assoalho pélvico.

O resultado foi positivo, provando que o uso do tonificador facilitou a percepção vaginal e consequentemente reativou o interesse pela atividade sexual dessa mulheres. que participaram da pesquisa. Os especialistas concluíram ainda que a associação do trabalho de orientação psicossexual e o uso de artefatos que contribuam para a melhora da resposta sexual das mulheres no climatério e na pós-menopausa influência positivamente o desenvolvimento da consciência corporal.

Paulo G. P. Tessarioli - psicólogo especialista em sexualidade humana - São Paulo
Saúde - Folha de Londrina
comentários
Continue lendo
Não é coisa de criança!

Veja a lista de vacinas indicadas para cada fase da vida

Veja mais e a capa do canal