Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
"Precisamos ser ouvidos"

Motoristas de aplicativo fazem paralisação nacional contra Projeto de Lei

Redação Bonde
26 mar 2024 às 13:00
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
Nesta terça-feira (26), motoristas de aplicativos em todo o país fazem uma paralisação nacional em protesto contra o PL (Projeto de Lei) Complementar PLP-12/2024, atualmente em tramitação em regime de urgência na Câmara dos Deputados, em Brasília. 


Para o presidente da Amotra (Associação de Motorista e Motociclistas da Região de Londrina), Renato Vandré, o projeto de lei é um retrocesso para a categoria. 


"O Projeto de Lei proposto pelo Governo visa apenas a arrecadação de impostos para a união, deixando de lado os direitos, a segurança, o trabalho e qualquer apoio dado pelo Governo ou aplicativo."

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O PL estabelece a criação da categoria "trabalhador autônomo por plataforma" e caracteriza essa relação de trabalho como "intermediada" pelas empresas de aplicativo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Segurança

Uber lança recurso que grava passageiro pelo app do motorista

Imagem de destaque
O que escolher?

Saiba se a gasolina aditivada é a melhor opção para pegar estrada

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
Entenda

Motociclista que transporta passageiros ganha entre 60% e 75% mais, diz pesquisa


O documento propõe uma carga horária máxima de 12 horas por dia em cada aplicativo, além da obrigatoriedade de contribuição para a previdência tanto por parte dos trabalhadores quanto das empresas, e estabelece uma remuneração mínima de R$32,10 por hora trabalhada.

Publicidade


No entanto, apenas o período entre a aceitação de uma viagem pelo motorista e o momento em que o passageiro chega ao destino seria considerado tempo de trabalho, não contabilizando o tempo em que o motorista estará on-line.


"O Projeto de Lei não nos dá autonomia para escolher corridas, ou fazer nosso próprio horário, é uma falsa autonomia, além de nós taxar de impostos, sem nenhum direito previsto pelo Governo", afirma Vandré.

Publicidade


Outro ponto de debate e a contribuição do trabalhador foi prevista em 7,5%, e a das empresas, de 20%, sobre o serviço prestado. 


Esses percentuais vão incidir sobre 25% do valor repassado ao trabalhador pelas empresas. Ainda segundo a proposta, caberá às plataformas descontar a contribuição do trabalhador e fazer o recolhimento para a Previdência. 


Para Renato esse percentual de contribuição deveria ser menor. "A taxa proposta pelo Governo é muito alta, a contribuição deveria ser menor, no máximo 3% sobre o valor repassado. Se esse projeto for aprovado, poderá impactar diretamente em motoristas que usam carros alugados ou financiados, pois impossibilitaria que eles trabalhassem."


"Nós temos que ser ouvidos e por isso estamos fazendo essa mobilização, o governo não pode aprovar a PL sem ouvir os motoristas, devemos participar desse processo", finaliza o presidente da Amotra.


Imagem
Paraná: Pessoas com deficiência, autismo ou Síndrome de Down são isentas de IPVA
Pessoas com deficiência física, visual (em grau compatível com condução de veículos) ou intelectual, bem como Síndrome de Down ou autismo, estão isentas do pagamento do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) no estado do Paraná.
Imagem
Chegada de carro voador no Brasil esbarra em falta de lugar para pousar e decolar
À espera dos primeiros voos comerciais de carros voadores, especialistas e empresas do setor apontam desafios para o começo da operação no país.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade