Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Votação

Comissão do Senado aprova projeto que retoma seguro DPVAT e libera R$ 15 bilhões

Thaísa Oliveira - Folhapress
07 mai 2024 às 12:47
- Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta terça-feira (7) o projeto que recria o seguro de trânsito DPVAT e libera cerca de R$ 15,7 bilhões ao governo. O texto deve ser votado ainda nesta terça (7) pelo plenário do Senado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
SPVAT

Congresso mantém veto e dispensa multa de trânsito para quem não pagar DPVAT

Imagem de destaque
Futuro próximo

Passagem de carro voador custará mais de R$ 500 e infraestrutura é desafio, diz Gol

Imagem de destaque
Placas 5 e 6 nesta terça

Vence nesta quarta a última parcela do IPVA 2024 para veículos com final de placa 7 e 8

Imagem de destaque
Nova resolução

Detran-PR suspende aplicação de multa automática por não realização de exame toxicológico

O gasto extra foi incluído para resolver o impasse em torno dos R$ 5,6 bilhões em emendas parlamentares vetadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O acordo que vem sendo negociado prevê a recomposição de parte do valor na próxima sessão do Congresso.

Publicidade


O projeto de lei tratava originalmente da volta do DPVAT, seguro obrigatório para indenização a vítimas de acidentes de trânsito. A liberação do montante de R$ 15,7 bilhões foi definida, porém, em acordo entre a Casa Civil e a Câmara dos Deputados.


Mesmo com o DPVAT extinto pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), a cobertura aos usuários continuou sendo feita com recursos federais do fundo administrado pela Caixa. Desde que o valor foi esgotado, o governo Lula pensava em uma alternativa para manter o pagamento às vítimas.

Publicidade


O projeto de lei prevê o pagamento obrigatório do seguro anualmente e mantém a Caixa como operadora do fundo arrecadado. Quando foi eliminado, o seguro era gerido pela Seguradora Líder, consórcio formado por seguradoras privadas.


A cobertura inclui indenização por morte e por invalidez permanente (total ou parcial). Tanto o valor a ser pago pelos motoristas como o da indenização serão definidos pelo Conselho Nacional de Seguros Privados.

Publicidade


Relator e líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), afirmou que, apesar disso, as estimativas do Ministério da Fazenda giram entre R$ 50 e R$ 60 por ano por condutor. "Queria deixar firmado aqui perante os colegas que o valor será entre R$ 50 e R$ 60 para todos."


O valor do DPVAT sofreu cortes, ano após ano, entre 2016 e 2020 -quando passou de R$ 292,01 para R$ 12,30 no caso de motos, e de R$ 105,65 para R$ 5,23 no caso de carros. A indenização era de R$ 13,5 mil em caso de morte ou invalidez permanente.

Publicidade


Jaques também se comprometeu com o veto do presidente da República ao trecho que previa infração grave para o motorista que não pagasse o seguro (cinco pontos na carteira de motorista e multa de R$ 195,23).


O seguro será batizado de SPVAT, Seguro Obrigatório para Proteção de Vítimas de Acidentes de Trânsito. DPVAT era a sigla para Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas ou não.

Publicidade


O projeto foi aprovado na CCJ por 15 votos a 11. Senadores da oposição reclamaram da volta do seguro obrigatório e da inclusão do chamado "jabuti", dispositivo incluído pelos parlamentares sem relação com o o tema do projeto de lei.


A medida inserida permite a antecipação da expansão do limite de gastos de 2024 ao estabelecer que o crédito poderá ser aberto após a primeira avaliação bimestral de receitas e despesas –que já foi divulgada em 22 de março.

Publicidade


O texto atual do arcabouço fiscal prevê que o governo pode abrir o crédito suplementar caso a avaliação das receitas seja favorável no relatório de avaliação do Orçamento do segundo bimestre, a ser divulgado no dia 22 de maio.


Segundo técnicos do governo, com base no relatório de março o Executivo conseguirá usar todo o espaço potencial de R$ 15,7 bilhões. Se a receita depois frustrar, o governo pode adotar eventual contingenciamento para cumprir a meta fiscal.


A mudança também ajuda o Executivo a reverter o bloqueio de R$ 2,9 bilhões sobre despesas de custeio e investimentos anunciado em março, além de acomodar eventuais pressões por aumento de gastos -como o movimento grevista iniciado por parte dos servidores públicos.


A medida antecipa e dá segurança ao governo sobre a liberação do valor num momento em que a equipe de Fernando Haddad (Fazenda) tem tido que lidar com uma série de incertezas em torno da arrecadação com as medidas de ajuste e os dividendos da Petrobras.


Imagem
PRF flagra mais de 450 motoristas em excesso de velocidade por dia no Paraná em 2024
Mais de 58 mil condutores foram flagrados pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) circulando em excesso de velocidade nas rodovias federais do Paraná este ano.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade