Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Saiba mais

Falta de peças faz motoristas esperarem até oito meses para consertar carro

Pedro Lovisi - Folhapress
24 nov 2023 às 12:26
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Motoristas, oficinas e seguradoras têm reclamado da demora na entrega de peças de carros nos últimos meses. A causa, porém, divide quem está no mercado: alguns culpam as montadoras e outros as próprias seguradoras.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Levantamento da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais) apontou que dos 40.700 itens encomendados entre janeiro e março, 7.100 ainda precisavam ser entregues pelas montadoras em agosto.

Leia mais:

Imagem de destaque
Projeção

Montadoras revisam prazos para eletrificar carros e evitam falar do fim dos motores a combustão

Imagem de destaque
CONFIRA O CALENDÁRIO

Prazo da 2ª parcela do IPVA para veículos com final de placa 1 e 2 termina na segunda (19)

Imagem de destaque
Será?

Prost fala sobre Senna e diz que era subestimado: 'Em corridas, eu era mais rápido'

Imagem de destaque
Balanço

Carnaval: Motociclistas foram metade das vítimas mortas em acidentes nas BRs no Paraná


Além disso, dos 235 mil sinistros de automóveis neste período, 7% sofreram com o atraso de peças.

Publicidade


Os dados foram divulgados pela entidade na semana passada. De acordo com a FenSeg, neste ano os motoristas precisaram ficar em média 25 dias com carros reservas alugados pelas seguradoras enquanto as oficinas credenciadas aguardavam a entrega de peças. Em 2019, último ano antes da pandemia de Covid-19, foram 11 dias.


A maior parte das peças (60%) com atraso na entrega é de funilaria. São itens como para-choques, faróis, portas e painéis. Componentes mecânicos como microchips representam 25% dos atrasos, vidros e iluminação, 8%, e segurança, 6%.

Publicidade


Ainda segundo a FenSeg, 87% do total de peças pendentes são de dez montadoras, e 15% de uma única.


Relatório da federação divulgado no mês passado aponta que ao menos três fatores estariam prejudicando a produção dessas peças: 1) escassez de componentes ainda motivada pela pandemia; 2) desaquecimento das vendas de veículos; 3) suspensão ou paralisação da produção pelas montadoras no Brasil.

Publicidade


As seguradoras dizem já ter comunicado várias vezes às montadoras sobre a necessidade de reposição das peças. Em todas elas, porém, não teriam recebido respostas.


À Folha de S.Paulo a Anfavea, associação que representa as fabricantes no Brasil, disse que não foi comunicada sobre problemas ou gargalos na produção.

Publicidade


"Pode ser que esteja ocorrendo com alguma montadora específica, mas, de uma maneira conjuntural, nós não recebemos nada sobre falta de peças", afirmou, em nota.


Para o presidente da comissão de seguro de automóvel da FenSeg, Marcelo Sebastião, se o cenário for mantido como está, o consumidor pode ter de pagar mais pelos seguros.

Publicidade


"Esses atrasos agravam as despesas com o sinistro, uma vez que o veículo segurado fica mais tempo parado nas oficinas e o consumo de carro reserva aumenta. Essa diferença vai impactar na precificação do seguro. É inevitável", afirmou.


Um eventual aumento de preço nos seguros é um dos argumentos do Sindifupi-SP (Sindicato da Indústria de Funilaria e Pintura do Estado de São Paulo) para contrapor as críticas da FenSeg.

Publicidade


Segundo o presidente do sindicato, Angelo Coelho, a demora na entrega de peças não passa pela lentidão das montadoras, mas pelas operações de compra das seguradoras.


"As seguradoras incentivam os consumidores a enviarem seus veículos para oficinas credenciadas, mas essas oficinas trabalham com volume muito acima da capacidade. Além disso, essas seguradoras não deixam as oficinas comprarem as peças; elas próprias vão ao mercado e fazem leilões reversos para encontrar peças mais baratas. Aí elas ficam esperando surgir ofertas", disse.


"O atraso existe, mas não devido às montadoras. O objetivo das seguradoras com isso é aumentar o preço dos seguros", afirmou.


Coelho também preside a Associação Brasileira da Indústria, Comércio e Serviços para Excelência da Reparação Automotiva, que auxilia consumidores de seguradoras de automóveis.


Ao ser questionado sobre as acusações do Sindifupi-SP, Sebastião, da FenSeg, reiterou as informações do estudo.


"Monitoramos as entregas periodicamente, em atendimento às seguradoras, que são as maiores interessadas de que os reparos sejam feitos no menor prazo possível, para facilitar a vida do segurado, e porque quanto mais rápida a resolução, menos gasto as seguradoras terão com aluguel de carro reserva", disse.


A Folha de S.Paulo ligou para uma importante vendedora de peças de São Paulo e ouviu de um responsável que a entrega pelas montadoras não se alterou nos últimos meses.


Antonio Fiola, presidente do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios, também questionou os atrasos e culpou as montadoras.


"Claro que as seguradoras sempre vão querer economizar, mas o atraso não é por conta delas, mas por conta da falta de peças", disse. Ele citou que as peças de funilaria só podem ser produzidas pelas próprias montadoras, por estarem relacionadas ao design dos veículos.


"Quem paga essa conta no final é o consumidor, que fica sem o carro. E o consumidor muitas vezes não entende e culpa a oficina", afirmou.


Imagem
Chegada do 13º salário deve aumentar em 15% comércio de motos na Grande Londrina
Com a proximidade do fim do ano, muitos consumidores já começam a fazer planos para o destino do tão esperado 13º sal&aacut
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade