Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

Entrevista com a poeta Rosani Abou Adal

24 set 2023 às 09:02
- Rosani Abou Adal - Fotografia do Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Nossa entrevistada é Rosani Abou Adal. Rosani é escritora, poeta, publicitária, jornalista e editora. Edita o jornal literário mensal Linguagem Viva desde 1989. É vice-presidente do Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, membro da Academia de Letras de Campos do Jordão.

Autora dos livros de poemas Mensagens do Momento (1986), De Corpo e Verde (1992), Catedral do Silêncio (1996) e Manchetes em Versos (2019); e dos cartões poéticos Sniff e Andorinha.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Agraciada com o Prêmio Ribeiro Couto da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro, em 1996, pelo livro Catedral do Silêncio, e com o Prêmio Mulheres do Mercado da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e Prefeitura do Município de São Paulo, em 2004. 

Leia mais:

Imagem de destaque

Lançamento do livro Curitiba em Dois Tempos

Imagem de destaque

Amizade e amigo - Crônica de Flávio Madalosso Vieira

Imagem de destaque

Sara Rus - Homenagem Poética de Daniel Mauricio

Imagem de destaque

Exposição de Poesia da Avipaf - Comentários

Um dos seis poetas homenageados da 33º Psiu Cinema, realizado de 4 a 12 de outubro de 2019.

Publicidade

Poeta representante do estado de São Paulo no 13º Festival de Poesia de Dois Córregos de 2020.

Seus poemas foram traduzidos para o inglês, francês, italiano, espanhol, grego e húngaro. Participou de antologias no Brasil e no Exterior na França, Itália e Portugal. 

Publicidade

Site da poeta: www.poetarosani.com.br


Fale um pouco de seu início como poeta. Quando começou  a escrever poemas.

Publicidade

- O primeiro poema que escrevi, com 9 anos, foi para pedir uma bicicleta para minha mãe. Infelizmente não tenho mais o poema. Como não ganhei a bicicleta, porque minha mãe tinha medo que eu  morresse atropelada, rasguei o poema. 

O primeiro trabalho lançado foi o cartão poético Sniff, em 1985. O primeiro livro foi publicado em 1986, Mensagens do Momento, edição do autor, lançado no Bar Brasil, em que apresentei performance vestida de vampiresa. 

Publicidade


Vamos falar sobre livros. Lamentavelmente, tem poetas que não gostam de ler os trabalhos de outros poetas. Você é leitora de livros de poesias?

- Sim. Leio outros poetas. Faço isso também como editora do jornal Linguagem Viva para selecionar o que será publicado. Leio por prazer, porque a poesia plantou raízes em minha alma.

Publicidade


Sente na sua obra a influência de algum ou alguns poetas?

R - Não sinto influência de nenhum poeta. Creio que criei uma linguagem própria que corta como uma lâmina para depois plantar flores.

Publicidade


Quantos livros de poesia você já publicou? Qual é a reação dos leitores? Eles curtem? Enviam sugestões?

R - Publiquei quatro livros e Sonho Ilusório é o quinto livro. Creio que os leitores devam gostar, porque me acompanham para comprarem novos livros. Sinto a reação do público nos saraus que frequento. Muitos comentam. 


Algumas pessoas falam que a Poesia não tem utilidade prática, que não serve para o mundo de hoje. Qual é a sua opinião?

R - A poesia tem alma própria. Está presente no ar em que respiramos, na água que bebemos, alimenta nosso corpo e espirito e nos proporciona serenidade para alçar voos para além do céu, do mar e da terra. Quem afirma que a poesia não tem utilidade prática e que não  serve para o mundo de hoje é uma pessoa que não conhece a si próprio, porque a poesia está além do nosso tempo, planta sementes e floresce no ar em que respiramos e dentro da gente. 


Fale de seu novo livro. Como surgiu a ideia do livro?

R- São poemas sociais, um grito libertário contra os gananciosos do poder, a devastação do Planeta e do ser humano. É a voz que acalenta os fracos e oprimidos e os fortalece para um novo tempo para que  possam, unidos, transformar a ilusão em sonhos reais.

Alguns poemas foram publicados no Linguagem Viva. O poema “Sonho Ilusório” foi declamado em alguns saraus e na Bienal do Livro e fez muito sucesso, então resolvi publicar em livro e reunir parte da produção poética do mesmo estilo e linguagem. 


Onde e quando será lançado?

R -No dia 5 de outubro,  quinta, das 17 h. às 21h30, no Sindicato dos Jornalistas,  Rua Rego Freitas,  530 sobreloja,  em São Paulo. 

8. Rosani, você tem uma longa e bem-sucedida trajetória  como poeta. Seus livros já foram traduzidos a vários idiomas. Qual é a sua expectativa com o este novo livro?

Participei de antologias e foram publicados trabalhos em revistas em Portugal, França,  Argentina, Espanha, EUA.  

Espero que Sonho Ilusório alcance voos mais altos e liberte o grito que sufoca a garganta dos seres e povos de  todas as nações, sem distinção de sexo, raça,  cor,  gênero e, assim, libertá-las de tudo que sufoca esse grito preso na garganta para que possam ser seres mais fortes e dignos de um futuro melhor.  


Poderia escolher um poema de sua autoria que represente o seu estilo, a sua voz poética. (Escrever o poema na continuação).

R - O poema “Sonho Ilusório” que dá titulo ao livro é uma marca forte do meu estilo, a minha voz poética e a voz de todos os povos e nações. Talvez seja grande para o espaço que temos. Mas espero possamos transformar a ilusão em sonhos reais e possamos nos fortalecer para acabarmos com  a destruição do Planeta e do Ser Humano e, assim, plantarmos sementes de amor e paz.


Quais são seus projetos para este final de ano?

R - Lançar Sonho Ilusório em várias cidades e plantar sementes de amor e poesia em tudo quanto é canto. “Ilusão. Só pode ser ilusão.“ Ilusão? Não.  Juntos poderemos transformar a ilusão em sonhos reais.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade