Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

Sara Rus - Homenagem Poética de Daniel Mauricio

05 fev 2024 às 10:10
Foto de Sara Rus - Foto de Sara Rus - Foto da Wikipédia - Este arquivo está licenciado sob a licença Creative Commons Atribuição-Compartilhamento pela mesma Licença 4.0 Internacional .
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Faleceu em Buenos Aires, em 24 de janeiro de 2024, a senhora Sara Rus. No início da vida, Sara era aluna em uma escola judia e estudava violino. Até que aos 12 anos as forças do Reich chegaram à cidade de Lodz, onde morava. Invadiram a casa. Perguntaram: - Você gosta de tocar violino? Um dos alemães invasores, para mostrar poder,  estraçalhou o violino contra a mesa.

Pobre Sara! Ela era só uma criança judia que gostava de tocar violino.  

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Sua vida foi de sofrimento e de luta. Descanse em paz, Sara.

Leia mais:

Imagem de destaque

Amizade e amigo - Crônica de Flávio Madalosso Vieira

Imagem de destaque

Exposição de Poesia da Avipaf - Comentários

Imagem de destaque

Transpondo as barreiras - Jucélia Betinardi e Isabel Furini

Imagem de destaque

Natal: O mundo explode em amor?

Em sua homenagem o poeta Daniel Mauricio, que mora em Curitiba,  escreveu o poema que está na continuação.

Publicidade

Sara Rus

Schejne Miriam Laskier de Rus,

Publicidade

Mas o mundo a conheceria

Por Sara Rus

Publicidade

Que se fosse cristã,

Diriam que carregou uma pesada cruz

Publicidade

Sem nunca envergar a alma

Mesmo quando perdia a calma

Publicidade

Pois havia nela,

Algo mais do que luz.

Publicidade

Por certo um anjo forte a protegia

Senão como ela sobreviveria

Aos horrores do holocausto

Onde um caminhar em falso

Era motivo para vida perder.

Teve a adolescência roubada

E quando pensava ter as feridas fechadas

Outro golpe tomou.

Da Praça de Maio,

Uma daquelas mães se tornou.

Em Auschwitz

Carregou a estrela de Davi no peito

Sobreviveu à dor e aos maus feitos

Como um crente

Se apegando na fé.

Dona de um sorriso terno

E lágrimas lentas

Contava a sua história inteira e intensa

Pois falar lhe trazia a libertação.

Sonhava em tocar violino

Mas como um sinistro hino

Nunca esqueceu o ruído

Do seu violino sendo esmagado

Por um soldado alemão.

Como “todo dia tem uma vida”

No gueto descobriu o amor

Bernardo, com quem se casaria

E para a Argentina,

O filho Daniel daria

Sem nunca poder uma flor

Em seu túmulo levar.

Ah, Sara!

Quem lhe sara?

A sua memória

Viverá para sempre entre nós.

Daniel Mauricio

Homenagem a Sara Rus, nascida em Lodz - Polônia em 25/01/1927 e falecida em Buenos Aires – Argentina em 24/01/2024.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade