Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Conheça o recurso financeiro

Antecipação de recebíveis: recurso usado pela Americanas promete ser melhor que o empréstimo

Bruno Souza - Estagiário*
24 jan 2023 às 17:45
- Reprodução/ Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Dias após o rombo bilionário da Americanas vir à tona, muito se questiona sobre qual a relação dos bancos com uma das mais tradicionais redes varejistas do Brasil. A resposta, no entanto, pode revelar uma maneira pouco conhecida de conceder crédito a empresários que queiram investir em seus próprios negócios: a antecipação de recebíveis, que é prometida como uma solução para o CNPJ que queira ter crédito alto, em pouco tempo e com meses de prazo.


Depois do escândalo, há quem culpe o recurso finaceiro pelos mais de R$ 40 bilhões em dívidas da rede varejistas, porém, de acordo com o CEO da companhia de crédito londrinense Bankme, Thiago Eik, a modalidade é segura tanto para a empresa que pede o adiantamento, quanto para a instituição que concede.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"A antecipação de recebíveis, pura e simples, é você antecipar uma receita que você tem garantida no futuro. Na antecipação, a empresa vendeu, vai receber daqui 60 dias, mas já tem direito à receita. Então, ela vai até a instituição financeira e antecipa. Por exemplo, a empresa tem R$ 100 mil para receber daqui 60 dias. Então ela manda esse título aqui para a Bankme, que adianta R$ 95 mil e recebe os R$ 100 mil depois. Se daqui 60 dias o pagador dessa operação não pagar, a pessoa para quem eu antecipei os R$ 95 mil precisa pagar. Esse é o modelo de antecipação de recebíveis", explica Eik.

Leia mais:

Imagem de destaque
Nos últimos dez anos

Dificuldade de crédito dificulta finanças de pequenas indústrias

Imagem de destaque
Jogo simples custa R$ 5

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 120 milhões

Imagem de destaque
Pelos Correios ou de forma digital

Empresas têm até dia 29 de fevereiro para enviar comprovantes de rendimentos

Imagem de destaque
Mais de duas mil vagas em Londrina

Paraná começa a semana com a oferta de 19,3 mil vagas de emprego


De acordo com ele, a antecipação tem poucos riscos porque, diferentemente do empréstimo, a empresa, durante a transação, precisa comprovar que aquele dinheiro já está certo para ser recebido no futuro. No empréstimo tradicional, o solicitante apenas pede o valor, sem dar garantias materiais de devolução. Então, trata-se de uma operação mais rápida, barata e segura para quem concede o crédito, como explica o CEO a seguir.

Publicidade


"A gente [Bankme] vai puxar o contrato social, via alguns outros documentos, para avaliar o quanto de endividamento essa empresa tem, qual o faturamento dela, o fluxo de caixa... A gente vai analisar os sócios para ver se são pessoas idôneas, o tempo que a empresa está no mercado, para ver se é uma operação segura para colocar o capital ali e, dependendo da situação, por mais que seja uma empresa segura e tenha bons números, é solicitada uma garantia como uma forma de blindagem, caso, no processo normal, não seja pago, tem uma garantia ali, um imóvel, títulos para garantir..."


Outro benefício para o solicitante é a rapidez para receber o crédito e a ausência do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), agilizando e economizando no processo. Além disso, Eik explica que, dependendo da situação, o tempo para devolver a quantia pode chegar a quatro meses.

Publicidade


"O nosso prazo [para receber], hoje, está na média de 50 dias. Mas isso pode variar. Normalmente, vai até um teto de 120 dias. Para aprovar um empréstimo são [necessários] 40, 50, 60 dias. A antecipação é uma operação que você faz no mesmo dia. Essa é uma operação que não tem IOF. Todos esses itens fazem que a taxa de juros, o custo do crédito, fique menor", diz o CEO.


Risco sacado e o rombo na Americanas

Publicidade


O risco sacado é uma modalidade do adiantamento de recebíveis que foi utilizada pela Americanas e é usada constantemente por diversas empresas. Thiago Eik exemplificou a operação que foi utilizada pela rede varejista e que acarretou, ainda sem explicações nítidas, no rombo bilionário nas receitas da empresa. Confira a seguir.


Uma empresa para vender tênis precisa de matéria-prima, como, por exemplo, o couro. Ela precisa pagar esse couro com 90 dias de prazo, mas o fornecedor precisa receber à vista. Aí a instituição financeira entra no jogo, analisando o crédito da empresa e cedendo o dinheiro para o fornecedor. Passados os 90 dias, a empresa paga o banco, mas com juros.

Publicidade


Seguindo o exemplo acima, se a ampresa pegou R$ 100 mil para pagar o fornecedor, ao final do prazo de 90 dias ela não devolverá o mesmo valor à instituição concedende de crédito, mas, sim, R$ 110 mil, montante acrescido de juros.


De acordo com o CEO da Bankme, o rombo foi descoberto "do nada" porque, nos registros, a empresa anotava somente o valor que devia aos fornecedores, "esquecendo" dos juros cobrados pelos bancos, chegando, depois de nove anos, ao montante de R$ 43 bilhões.

Publicidade


Sabendo do rombo, a Americanas pediu na Justiça uma RJ (Recuperação Judicial), que basicamente dá o direito à empresa de não quitar as suas dívidas por certo período. Eik explica a diferença entre uma RJ e uma declaração de falência e os seus impactos nas economias dos envolvidos.


"Quando vem uma RJ, fica suspenso o pagamento das dívidas. Depois, os bancos têm que aceitar a renegociação. A RJ é menos pior que um pedido de falência, porque se não é acatada uma RJ e vai para a falência, aí liquida-se o que tem na empresa e as dívidas bancárias entram, se não me engano, em terceiro nível. Primeiro vão entrar as trabalhistas, uma série de outras coisas que vão ser pagas antes e o que sobra vai para os bancos", inicia.

Publicidade


"O que os bancos estão tentando fazer é eles não serem obrigados a repassar as antecipações de cartão de crédito. Imagina que você comprou uma TV na Americanas. Aí os bancos têm que repassar a primeira parcela, a segunda parcela, a terceira parcela que você tem que pagar. Mas, agora, os bancos estão falando 'olha, não passo mais', para diminuir o impacto. Só que a Americanas está tentando barrar isso porque senão ela quebra", explica. 


Thiago Eik encerra fazendo uma previsão pessimista da situação. Segundo ele, é quase impossível os bancos recuperarem tudo o que foi perdido durante o período de negociação com a rede varejista.


*Sob supervisão de Fernanda Circhia

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade