Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cuide do seu pet!

Leishmaniose merece atenção e também afeta animais de estimação da zona urbana

Reportagem Local
01 mar 2024 às 08:30
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A morte de Apollo, um cachorro de 12 anos, por leishmaniose na cidade de São Paulo, no início do ano acendeu alerta para os tutores de animais que moram em zonas urbanas. 


A doença, que embora tenha ficado conhecida por afetar apenas cães restritos à zona rural, mostra que os cuidados com os pets devem ser realizados em qualquer localidade, independentemente de onde vivem. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


De acordo com Marcio Barboza, médico-veterinário e gerente técnico pet da MSD Saúde Animal, é preciso apostar em medidas preventivas como o uso de coleiras antiparasitárias, que é um dos principais métodos para prevenção da doença.

Leia mais:

Imagem de destaque
Histórico

Pela primeira vez na história olímpica, Brasil deve ter delegação com maioria feminina

Imagem de destaque
Segue para sanção

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos

Imagem de destaque
Senado aprovou em dois turnos

PEC das Drogas é inconstitucional e deve agravar cenário de violência, apontam especialistas

Imagem de destaque
Nesta semana

Técnicos do IAT de Pitanga resgatam filhote de coruja-buraqueira


A leishmaniose visceral é a segunda doença parasitária que mais mata pessoas no mundo. Trata-se de uma zoonose, causada pelo protozoário Leishmania infantum transmitido para animais e humanos principalmente através da picada de um flebótomo, que é um mosquito pequeno de hábito crepuscular e noturno. 

Publicidade


Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) a doença possui ampla distribuição mundial, sendo que 90% dos casos estão concentrados em 5 países, entre eles o Brasil.


PREVENÇÃO

Publicidade


O veterinário reforça que é muito importante que os tutores sejam informados sobre a prevenção, de acordo com as diretrizes de organizações importantes, como a Brasileish. 


“O método primário de prevenção da infecção por Leishmania infantum em cães é por meio do uso de inseticidas tópicos com propriedade repelente, como os produtos à base de piretróides sintéticos. Esse deve ser o principal cuidado do tutor com o pet”, explica Barboza.

Publicidade


Estudos de larga escala têm demonstrado a efetividade do uso de colares impregnados com inseticidas na prevenção e controle da leishmaniose visceral canina como medida de saúde pública no Brasil. 


No entanto, é importante estar atento na hora de escolher a coleira antiparasitária. Isso porque o tutor precisa entender se o produto que está utilizando tem, em sua formulação, componentes citados pelos especialistas no assunto e se a sua eficácia é comprovada.


Barboza alerta para o uso de coleiras antiparasitárias a base de deltametrina 4%, que é indicada para proteger os pets contra os vetores da leishmaniose. Cães a partir de 3 meses de idade já podem utilizar o produto e a recomendação é que sua troca seja feita a cada 4 meses.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Leishmaniose merece atenção e também afeta pets da cidade grande
Morte recente de cãozinho na cidade de São Paulo acende alerta para os tutores de animais que moram em zonas urbanas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade