18/11/19
º/º
PUBLICIDADE
A partir de 2019

Com Superbus, prefeitura espera atrair novas empresas de ônibus a Londrina

A Prefeitura de Londrina pretende abrir ainda este ano a licitação para a execução da primeira fase do chamado Superbus, sistema de mobilidade urbana apontado como inovador pela administração do prefeito Alexandre Kireeff (PSD). O Executivo tem a intenção de terminar as obras entre o final de 2017 e o início de 2018 e utilizar o Superbus como diferencial para aumentar a disputa pela próxima concessão do serviço de transporte coletivo. "O atual contrato termina em 2019 e a próxima licitação já vai contemplar toda a infraestrutura da primeira fase do Superbus", explicou o assessor de Projetos Estratégicos da Prefeitura de Londrina, Carlos Alberto Geirinhas, em entrevista ao Bonde nesta sexta-feira (8). Na visão dele, o sistema vai ajudar o município a atrair mais empresas para participarem da nova concessão. "Com mais concorrência, melhor para o poder público", afirmou.

Na avaliação de Geirinhas, a prefeitura precisa começar a formular a nova licitação do serviço de transporte coletivo com ampla antecedência. "Termina em 2019, mas é preciso que o planejamento dos trabalhos tenha início um ano antes disso, quando a primeira fase do Superbus estará praticamente finalizada e a segunda em execução", destacou. Ele admitiu que as duas concessionárias que prestam o serviço atualmente em Londrina terão vantagem no próximo processo, mas disse esperar que empresas de todo o país participem da disputa. "Ter uma cidade com o porte de Londrina como cliente é vantajoso para qualquer companhia do mundo", observou.

Saulo Ohara/Equipe Folha
Saulo Ohara/Equipe Folha


Ainda segundo o assessor, a próxima licitação do transporte precisa ter um viés sustentável. "Seria interessante o serviço contar com ônibus diferenciados e movidos de uma forma mais econômica e sustentável ao meio ambiente", disse. Atualmente, a prefeitura está testando veículos que poderão ser utilizados pelo sistema Superbus. Na manhã de quinta-feira (7), representantes da Volvo apresentaram ao município um veículo híbrido movido por eletricidade gerada por ele próprio. "Na próxima semana, outra fábrica prometeu nos trazer um ônibus movido a biometano", completou. De acordo com o assessor, as novas tecnologias precisam ser analisadas agora e "ponderadas durante a formulação da próxima licitação".

Projeto

O projeto de mobilidade urbana, que tem o Superbus como epicentro, foi apresentado pela Prefeitura de Londrina ao Ministério das Cidades em março. De lá para cá, o município conseguiu o aval do Governo Federal, mas precisa cuidar dos últimos detalhes da proposta para finalizá-la, entregá-la à Caixa Econômica Federal e, assim, conseguir a verba necessária para a licitação das obras. Financiamento já obtido pelo Executivo prevê investimento de R$ 124.705.100,00, com contrapartida de R$ 19 milhões. Ou seja, o novo sistema vai custar mais de R$ 140 milhões aos cofres públicos.

Pelo projeto, o Superbus passará por 37 ruas e avenidas de Londrina, que receberão faixas exclusivas para ônibus e pontos personalizados, com coberturas e assentos. Ainda conforme o novo projeto, 24 das 37 vias serão contempladas com ciclovias, sem contar as quatro que já possuem as canaletas aos ciclistas. Carlos Alberto Geirinhas lembrou que uma avenida do município já passa por readequações para receber o Superbus. "Os corredores exclusivos de ônibus que estão sendo instalados na avenida Tiradentes, por exemplo, já levam em conta os moldes previstos na primeira fase do sistema", destacou o assessor, lembrando as obras de revitalização da via.
Guilherme Batista - Redação Bonde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Veja mais e a capa do canal