Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Em Londrina

Escola Oficina vive crise financeira

Redação - Folha de Londrina
04 jul 2003 às 19:31
Continua depois da publicidade

Salários atrasados, falta de profissionais, encerramento de cursos e dificuldades até para manter o cardápio de refeições das crianças. Essas são as dificuldades enfrentadas pela Escola Oficina, centro de apoio à crianças de risco mantido pela Associação da Criança e do Adolescente de Londrina (Acalon).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A crise financeira da instituição se agravou depois que o convênio mantido com o município foi suspenso. Uma auditoria da Prefeitura apontou distorções no número de atendimentos estipulado em contrato, 168 crianças por mês, para liberação de cerca de R$ 9,5 mil mensais. Como o número foi menor, o órgão pediu a devolução de R$ 68 mil.

Continua depois da publicidade


Na escola, que tem 10 anos de atividades, o clima de tensão e as dificuldades já foram percebidas pelas crianças. ''Antes no café a gente tinha leite, agora é chá. No almoço também tinha mais coisas, tipo salada e essas coisas, esses dias só tinha macarrão e arroz'', conta E.F.M., 17 anos. Ele frequenta a Escola Oficina há dois anos e diz que essa é a pior fase da escola. ''O pessoal anda nervoso e tem uns que estão um tempão sem receber'', diz, referindo-se ao atraso de dois meses no salário dos 26 funcionários. As dificuldades financeiras também fecharam a oficina de informática e deixaram a escola sem psicólogo e assistente social.


A auditoria da Prefeitura deve se manifestar no início da próxima semana para responder o pedido de reavaliação do caso impetrado pela Acalon. Segundo o auditor Oswaldo Alves de Lima, se as justificativas da instituição forem aceitas o convênio poderá ser retomado e a devolução das verbas cancelada. Um dos principais argumentos da Acalon é que as crianças atendidas - muitas delas menores infratores - têm frequência irregular às atividades que, contudo, tem custo fixo para serem mantidas.


Uma reunião entre a diretoria da Acalon e a secretária da Ação Social, Maria Luíza Rizotti, foi realizada anteontem para discutir os problemas da Escola Oficina. Segundo a secretária, a Acalon está também em negociação como governo do Estado para tentar obter novo convênio. Outra opção é refazer o convênio com o município sob novas diretrizes a serem definidas pela secretaria.

Continua depois da publicidade


''O convênio poderia ser refeito caso o sistema fosse reestruturado. Uma das propostas é aumentar o atendimento, trazer a comunidade para dentro da escola e mudar o direcionamento pedagógico'', comentou. Atualmente, a Escola Oficina tem estrutura para atender cerca de 150 crianças com aulas regulares e cursos e oficinas diversas.

Segundo Maria Luíza, caso a auditoria não aprove a justificativa ou a Acalon não aceite as diretrizes propostas e desista do projeto, a Prefeitura vai assumir a escola. ''Está fora de cogitação fechá-la'', garantiu. A presidente da Acalon, Sônia Sclassara, confirmou os problemas mas prefere se pronunciar depois de uma reunião da diretoria da instituição, quando os membros vão definir posições.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade