Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Moradores também são afetados

Falta de água causa transtornos para comerciantes e moradores da região central de Londrina

Caroline Knup - Especial para o Portal Bonde
21 ago 2023 às 15:24
- Caroline Knup
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) informou, na manhã desta segunda-feira (21), que o rompimento da adutora na saída do Reservatório Higienópolis, localizado na esquina da avenida Higienópolis com a rua Tupi, iria afetar o abastecimento de água em residências e comércios da região central de Londrina.


Os principais bairros afetados pelo incidente são, além do centro, as vilas Ipiranga, Garcia, Ernest, Boa Vista, Agari, Shimabokuro, Menegazzo e Pietraróia.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


De acordo com a Companhia, a manutenção na adutora rompida foi concluída pela manhã e a previsão é que a distribuição de água se normalize, de forma gradual, até o final da tarde desta segunda-feira.

Leia mais:

Imagem de destaque
"Criança não é mãe"

Londrinenses protestam no Calçadão contra PL sobre aborto

Imagem de destaque
Rodovia

Motociclista morre em colisão traseira com BMW na PR-445 em Londrina

Imagem de destaque
Prata

Estudantes londrinenses são premiados em Olimpíada de Tecnologia

Imagem de destaque
Trânsito

Ponte ao lado do parque Arthur Thomas em Londrina será interditada a partir de sábado


Mesmo com a finalização dos trabalhos, moradores e comerciantes das regiões afetadas têm enfrentado transtornos relacionados à falta de água. Edna Garcia, balconista e gerente de compras do restaurante Rovani há 22 anos, aponta que o desabastecimento tem sido um problema comum aos estabelecimentos.

Publicidade


"Várias vezes nossa água é cortada porque a Sanepar precisa arrumar alguma coisa. Isso, para nós, é um transtorno imenso. Pensa: um restaurante que começa a cozinhar às sete da manhã e que, em seguida, já começa a trabalhar com a lanchonete, ficar sem água. Isso paralisa, atrasa tudo. Tenho certeza que todos os comerciantes estão reclamando", aponta.



EXPERIÊNCIA DO CLIENTE

Publicidade


Os prejuízos financeiros não são os únicos aspectos considerados pelos proprietários e funcionários dos estabelecimentos. Segundo Garcia, a experiência do cliente também é prejudicada pela falta de água. 


"A água é tudo em um restaurante. Além de precisarmos dela para cozinhar e para lavar a louça, temos que ter água no banheiro porque os clientes usam quando vêm aqui almoçar. Quando não tem água, o banheiro fica sujo e tem reclamação - com razão", explica a gerente.

Publicidade


Garcia argumenta que os trabalhos de manutenção corretiva deveriam ser feitos em dias e horários alternativos para que os comerciantes não fossem prejudicados. Além disso, cobra do Poder Público uma resposta ao problema recorrente.


"Os vereadores nos representam e nós estamos pedindo uma atenção para essa falta de água. Não é uma vez ou outra, tem acontecido sempre. Já chegamos a vender 30% menos do que o usual quando ficamos sem água, então é uma coisa que afeta demais nosso trabalho e nosso lucro."

Publicidade


Imagem
Rompimento em adutora do Reservatório Higienópolis deixa região central de Londrina sem água
A Sanepar informa que, em função do rompimento da adutora na saída do Reservatório Higienópolis, haverá falta de água na região central de Londrina nesta segunda-feira (21).


MORADORES


Os comerciantes não são os únicos a sentirem os efeitos negativos do desabastecimento. Carina Nogueira, que mora no Centro de Londrina, reforça o depoimento de Garcia e diz que a falta de água é um problema recorrente.

Publicidade


De acordo com a moradora, nas residências, os maiores transtornos estão relacionados aos serviços domésticos. "Às vezes ficamos muito tempo sem água e eles [Sanepar] avisam em cima da hora. Além disso, quando a água volta, volta suja e com força, o que prejudica o encanamento."


Nogueira argumenta que a Sanepar deve agir para prevenir o desabastecimento e, sobretudo, evitar práticas que têm sido comuns nas manutenções. 

Publicidade


"Acho que precisam restringir as intervenções ao essencial e agir com cautela, competência, precisão e planejamento, o que não vêm acontecendo. Os reparos são necessários, mas, muitas vezes, quebram o que estava intacto. A forma como as máquinas são manobradas, a forma que o alarido que é feito e a presença de ar no encanamento indicam falta de cuidado e inexperiência", aponta a moradora.



'PRECISAMOS PEGAR ÁGUA DOS VIZINHOS QUE TÊM CAIXA'


Os comerciantes, especialmente os que trabalham com a produção de alimentos, precisam buscar alternativas para continuar suas atividades diárias. No Restaurante Rovani, os funcionários têm pedido ajuda aos vizinhos.


"A gente não tem outra alternativa a não ser correr e arrumar uma solução. Então, precisamos pegar água dos vizinhos que têm uma caixa maior. Precisamos ficar descendo e subindo escadas para buscar a água. Pagamos para os vizinhos e esse nem é o problema. Nosso maior problema é prejudicar os clientes", aponta.


A gerente de compras do restaurante afirma compreender a necessidade que a Sanepar tem de fazer manutenções, mas acredita que o planejamento das ações deve considerar, também, as demandas dos estabelecimentos comerciais que serão afetados.


"Em plena segunda-feira abrimos sem água. Eles [Sanepar] precisam ver possibilidades de não atrapalhar os negócios. Temos restaurantes, salões de beleza e até profissionais de saúde, como dentistas, que são prejudicados toda vez. O trabalho deve ser uma parceria, porque somos clientes da Companhia", finaliza Garcia.


SANEPAR JUSTIFICA


A Sanepar explica que existem diversas obras em andamento em Londrina e, por isso, as paradas são programadas e avisadas. "Uma parada aconteceu nesse domingo (20) porque estamos com uma obra importante na avenida Higienópolis. Nessa segunda-feira tivemos um incidente e comunicamos via imprensa."


Segundo a Companhia, é importante que os comerciantes e os moradores registrem suas reclamações pelo telefone 0800 200 0115 "para que o Centro de Controle Operacional e a equipe de campo identifique situações como vazamentos ocultos".


A Sanepar reforça, ainda, que, de acordo com norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), cada imóvel deve ter caixa-d’água com capacidade para atender as necessidades dos moradores por, no mínimo, 24 horas. O reservatório domiciliar deve armazenar pelo menos 500 litros. 

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade