Pesquisar

Canais

Serviços

Gustavo Carneiro/Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Movimento ecumênico

Grupo católico usa outdoor em Londrina para atacar Campanha da Fraternidade

Pedro Marconi - Grupo Folha
16 fev 2021 às 17:42
Continua depois da publicidade


Grupos da Igreja Católica têm se manifestado contrariamente à Campanha da Fraternidade deste ano, que se inicia oficialmente nesta quarta-feira (17). A ação anual é promovida pela CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) no tempo quaresmal, tendo sido lançada a nível nacional em 1964. Em 2021, o mote da campanha é o ecumenismo, tendo como tema "Fraternidade e diálogo: compromisso de amor” e o lema baseado numa passagem bíblica do livro de Efésios: "Cristo é nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A campanha deste ato foi organizada tanto pela CNBB, quanto pelo Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs). Em Londrina o movimento Brasil Católico está estampando em outdoors o que considera uma deturpação dos valores cristãos, com a defesa do que classificam como pautas partidárias de esquerda e com viés comunista. Um outdoor na avenida Juscelino Kubitschek, por exemplo, acusa a atual Campanha da Fraternidade de ter "infiltrados abortistas” e pedem pela retirada de "comunistas do altar”.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Presidente do movimento londrinense, o advogado Bruno Pedalino reclama que a Confederação dos Bispos já vinha adotando posturas que sustenta ser de esquerda, contando com mídias que seriam deste mesmo espectro político. "A gota d’água surgiu com essa campanha da CNBB. Decidiram radicalizar completamente. Colocaram na organização uma pessoa que nem da Igreja Católica Apostólica Romana, é. Pertence a uma religião protestante. Uma senhora militante do comunismo de esquerda, fazendo com que a Igreja Católica, que tem sua liderança, fosse reduzida a segundo plano”, elencou. A referência é contra a pastora luterana Romi Márcia Bencke, secretária-geral do Conic, que é natural do Rio Grande do Sul.


O texto-base da Campanha da Fraternidade Ecumênica traz críticas à cultura de violência contra mulheres, negros, indígenas e pessoas LGBTIQ+; negação da ciência; e atuação do Governo Federal no combate à pandemia de coronavírus. "Em todos os temas estão incutidos princípios que não são previstos e admitidos pela vida, apoiando e incentivando o aborto, querendo incluir dentro da igreja a ideologia de gênero. Estão deturpando o conceito de propriedade, patrocinando o movimento sem-terra. Tudo isso é condenado pela Bíblia, por Jesus Cristo e pelos dogmas básicos da Igreja Católica Apostólica Romana. Tem que respeitar, mas não incentivar a homossexualidade.”


CONTINUE LENDO: "Aqueles que criticam querem desconstruir a luta contra a injustiça e opressão em relação aos negros, mulheres, à comunidade LGBTQI+", rebate padre londrinense

Continua depois da publicidade


LEIA TAMBÉM


Grupo católico pressiona arcebispo pela volta das missas presenciais


Outdoor católico em Londrina pede que 'tirem o PT do altar'

Continue lendo