Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Audiência pública

Continuidade ou não da voz do Brasil gera polêmica

Redação Bonde
22 nov 2007 às 14:49
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O debate sobre a flexibilização do horário de transmissão da Voz do Brasil, realizado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), foi marcado por manifestações dos senadores em favor da manutenção do programa. Os parlamentares falaram em resposta à posição assumida por dois dos convidados para o debate - Milton Lucca de Paula, presidente da Associação Mineira de Rádio e Televisão (Amirt), e Paulo Ricardo Tonet Camargo, diretor da Rede Brasil Sul (RBS) -, favoráveis à extinção do programa.

Também participaram da audiência José Roberto Garcez, presidente da Radiobrás, e Ester Monteiro da Silva, editora-chefe da Voz do Brasil da Rádio Senado. Os dois destacaram a importância do programa para levar aos brasileiros informações sobre os Três Poderes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Falando em nome das 359 emissoras associadas à Amirt, Milton de Paula propôs a extinção da Voz do Brasil ou, caso isso não seja possível, que cada emissora possa escolher o horário de transmissão entre 19h e 24h. No mesmo sentido, Tonet Camargo ponderou que a realidade do país mudou muito desde a criação da então Hora do Brasil, em 1938, quando a família estava em casa na hora da transmissão do programa. Ele elogiou decisão da Justiça Federal no Rio Grande do Sul que permite a transmissão da Voz do Brasil em até 24 horas após a edição do programa.

Leia mais:

Imagem de destaque
Confira a lista de indicados

Emmy indica 'Xógun', 'Bebê Rena' e 'O Urso', que bate recorde em comédia

Imagem de destaque
Tentativa de homicídio

Lula diz que violência é abominável, mas Trump vai tentar tirar proveito de atentado

Imagem de destaque
Confusão

Caos na Copa América gera pressão da Fifa em Miami sobre Mundial de Clubes

Imagem de destaque
Vive num abacaxi no mar

Bob Esponja chega aos 25 anos longe de rótulo LGBT e atento ao meio ambiente

Essa decisão do Judiciário foi comentada pelo senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), ao reafirmar a necessidade de o Senado propor mecanismos de flexibilização de horário.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade