Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Disputa entre Coreias

Coreia do Norte volta a enviar balões com lixo para o Sul após falar em 'guerra psicológica'

Folhapress
10 jun 2024 às 19:20
- Ministério da Defesa Coreia do Sul
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Prestes a completar duas semanas, a novela da troca de balões entre as duas Coreias ganhou um novo capítulo nesta segunda-feira (10), quando Pyongyang voltou a enviar centenas de infláveis com lixo para o Sul, segundo o Exército sul-coreano.


A ação acontece um dia depois de Kim Yo-jong, influente irmã do líder norte-coreano, ameaçar Seul com uma nova ação em resposta às transmissões de propaganda da Coreia do Sul em alto-falantes na fronteira -que, por sua vez, são uma retaliação ao envio de lixo por meio de balões por parte do regime da Coreia do Norte.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Yo-jong afirmou em um comunicado desta segunda que a Coreia do Sul "sofrerá o amargo constrangimento de recolher papel usado sem descanso". "Essa será sua tarefa diária", afirmou a porta-voz do regime.

Leia mais:

Imagem de destaque
Estratégia de redução de danos

Países adotam vapes para reduzir uso do cigarro, mas não há consenso científico sobre estratégia

Imagem de destaque
Anúncio nesta segunda

Donald Trump anuncia J.D. Vance como vice na disputa pela Casa Branca

Imagem de destaque
Como a facada

Aliados de Lula receiam fortalecimento da direita, e bolsonaristas tentam explorar atentado a Trump

Imagem de destaque
Mais vendida

Fuzil usado em atentado contra Trump é eficaz a longas distâncias e tem venda legal no Brasil e nos EUA


De acordo com o Exército sul-coreano, o vento prejudicou a última operação de Pyongyang. "Enviaram mais de 310 balões, mas muitos deles voaram na direção da Coreia do Norte", afirmou o comandante do Estado-Maior. Quase 50, que levavam resíduos de papel e plástico, atingiram o território sul-coreano, segundo Seul.

Publicidade


Os envios não cessaram durante o fim de semana. No sábado (8), a Coreia do Norte lançou cerca de 330 balões com lixo, dos quais 80 pousaram no Sul, de acordo com o Exército.


Nesta segunda, além dos infláveis, a Coreia do Norte parecia instalar seus próprios alto-falantes para propaganda na fronteira, disseram chefes do Estado-Maior sul-coreano. Seul, porém, não pretende operar os seus nesta segunda, de acordo com os militares.

Publicidade


Quando enviou, há quase duas semanas, a primeira leva de balões com panfletos políticos, lixo e até esterco, Pyongyang afirmou que respondia a uma ação semelhante de ativistas sul-coreanos, que costumam enviar dinheiro, remédios e pen drives carregados com o genêro musical sul-coreano k-pop pela fronteira.


Na última quinta-feira (6), o Fighters For Free North Korea (Combatentes pela Coreia do Norte Livre), grupo conhecido pela estratégia de enviar objetos à população do norte por meio de infláveis de gás hélio, desafiou Pyongyang ao enviar dez balões carregando 200 mil panfletos, 5.000 pen drives com k-pop e dramas coreanos e 2.000 notas de um dólar.

Publicidade


Imagem
Moradores reclamam de lentidão em obra de drenagem no Jardim Acapulco
Com apenas dois meses de execução, a obra de reforço na drenagem na rua Celeste Castanha de Barros, no jardim Acapulco, na zona sul de Londrina, já tem preocupado a vizinhança.


As ações, que remontam aos primeiros anos do pós-Guerra da Coreia, quando as nações tentavam influenciar uma a outra com esse tipo de estratégia, foram chamadas por Yo-jong de "guerra psicológica" em um comunicado divulgado neste domingo (9) pela agência estatal de notícias norte-coreana KCNA.


As provocações, no entanto, parecem não avançar para algo mais sério. "Até o momento, não vimos nenhum movimento especial por parte do Exército norte-coreano", disse um oficial do Estado-Maior sul-coreano. "Mas, em qualquer caso, o Exército responderá de modo suficiente a qualquer nova contramedida."

Publicidade


A resposta mais contundente até agora foi a interrupção de um acordo militar entre as duas Coreias. Na semana passada, o presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol, anunciou que iria suspender o texto assinado nas históricas reuniões entre os dois países em 2018. O acordo pretendia reduzir as tensões e evitar uma escalada militar entre as Coreias, em armistício desde o fim da guerra que dividiu a península, em 1953.


O pacto, porém, já estava debilitado -no ano passado, Seul o suspendeu parcialmente quando a Coreia do Norte colocou um satélite espião em órbita, ao que o regime de Kim Jong-un respondeu com completo rompimento.


A paralisação permite que a Coreia do Sul retome os exercícios de tiro e as campanhas de propaganda contra o regime do Norte, como as realizadas com alto-falantes na fronteira. A medida enfureceu Pyongyang, que alertou que Seul estava criando uma "nova crise".


Para Kim Dong-yub, professor na Universidade de Estudos da Coreia do Norte em Seul, o comunicado da irmã de Kim mostra que Pyongyang "levanta a voz para culpar a Coreia do Sul pela situação atual e, também, para justificar sua provocação". Segundo ele, a escalada poderia causar pânico na Coreia do Sul, onde a população acredita estar sob ataque biológico.


Imagem
Jovem atacada em Jacarezinho recebe alta do HU e diz que acusada tentou matá-la
Após 18 dias de internamento, sendo 12 na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), Isabelly Ferreira, 23, recebeu alta do HU (Hospital Universitário) de Londrina na tarde do último sábado (8).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade