Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Crise hídrica

Paraná tem início de primavera com dois terços de estiagem

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
23 set 2021 às 11:20
Continua depois da publicidade

A primavera iniciou às 16h21 desta quarta-feira (22) e a crise hídrica deve se manter com projeções de chuvas abaixo da média, como prevê o Simepar.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A combinação das escassas chuvas, elevação de temperatura e viés de aumento do consumo é motivo de preocupação para a Sanepar.

Continua depois da publicidade


O Paraná vive a pior estiagem das últimas décadas e várias regiões, incluindo a Grande Curitiba, passam por racionamento hídrico, com o rodízio no fornecimento de água. No interior do Estado seis cidades estão com o abastecimento em dias alternados e 19 cidades em situação crítica.


“Atualmente dois terços do território do Paraná continua sob o fenômeno da estiagem. A região Leste está se recuperando, mas precisa de muita chuva para voltar à normalidade. Isto significa que a estiagem está distribuída ao longo do Estado, com mais força na Região Sudoeste”, destaca o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky.

Continua depois da publicidade


Estão em situação de alerta, em função da redução significativa dos níveis dos mananciais somada ao consumo elevado, as cidades de Mandaguaçu, Goioerê e Iretama (Noroeste), Rolândia (Região Metropolitana de Londrina), Sabáudia, Siqueira Campos, Carlópolis, Jacarezinho Leópolis e São Sebastião da Amoreira, além dos distritos Panema (em Santa Mariana) e Triolândia (em Ribeirão do Pinhal).


A previsão para o mês de outubro é de chuvas dentro da média ou um pouco acima, mas em novembro as chuvas diminuem e a situação volta a ser crítica. “Temos que reforçar que nos últimos dois anos o Paraná vive uma estiagem severa e precisamos de água em abundância para que possamos recuperar os mananciais e reservatórios”, diz o diretor.


Emergência hídrica: No início de agosto, o governo estadual publicou o quarto decreto de emergência hídrica no Paraná, em sequência, reconhecendo a gravidade da estiagem e priorizando o uso da água para abastecimento humano e dessedentação animal.


A estiagem tem provocado perdas na agricultura. Sem chuvas significativas no momento do plantio de grãos, a produção sofreu o impacto das mudanças climáticas. A produção de milho teve uma quebra de quase 60% em relação ao ano passado.


De acordo com o Prognóstico Climático para a Primavera/2021 divulgado pelo INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), de 1961 até 2020, observa-se uma diminuição média de 28 milímetros de chuva no país durante a estação. O levantamento ainda aponta que, na Região Sul, existe tendência significativa de elevação da temperatura durante a primavera.

Continue lendo