Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alta temporada

Bombeiros fizeram quase 37 resgates por dia no Litoral do Paraná em dezembro e janeiro

Redação Bonde com AEN
03 jan 2024 às 17:29
- Roberto Dziura Jr./AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O CBMPR (Corpo de Bombeiros Militar do Paraná) realizou 664 resgates no litoral do Estado desde o ínicio oficial do Verão Maior Paraná, em 16 de dezembro, até dia 2 de janeiro. Isso equivale a, em média, aproximadamente 37 pessoas resgatadas por dia em situação de dificuldade. 


Além disso, outros 75 banhistas precisaram ser socorridos por estarem se afogando e três acabaram falecendo – todos estavam em locais sem a presença de postos de guarda-vidas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


“Dos óbitos que ocorreram no Litoral, nenhum foi em local com posto de guarda-vidas, e isso é um fator bastante importante. Reforça aquilo que o Corpo de Bombeiros enfatiza, que as pessoas têm que procurar trechos da praia protegidos por guarda-vidas, onde nós estamos, porque a chance de acontecer de uma pessoa entrar em óbito nesses locais é muito menor”, comentou o comandante do 8º Grupamento do CBMPR, responsável pelo Litoral, major Fabrício Frazatto dos Santos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Incluindo Londrina

Sanepar vai abrir Centrais de Relacionamento em 34 cidades neste sábado

Imagem de destaque
População em geral

Prefeitura de Arapongas reforça chamado para vacinação contra a gripe; veja os locais

Imagem de destaque
35 iniciativas

Cambé: Governo e prefeitura anunciam R$ 114 milhões em obras

Imagem de destaque
Referência nacional

Enfermeiro de Rolândia é convocado a prestar atendimentos a vítimas no Rio Grande do Sul


Os trechos monitorados com postos fixos de guarda-vidas são sinalizados por bandeiras. Além disso, dentro da área demarcada, também há indicações, por meio de bandeiras, se o risco naquele local é baixo (bandeira verde), médio (amarela) ou alto (vermelha). 

Publicidade


A orientação visual é atualizada constantemente, de acordo com a mudança das condições do mar e do terreno em questão. Esse trabalho de sinalização, incluindo a colocação de placas de perigo, foi realizado 3.433 vezes nesse período.


Nos pontos sem postos permanentes de guarda-vidas, em que a fiscalização é feita por meio de rondas, são colocadas bandeiras pretas. Nesses espaços, o socorro pode levar mais tempo do que o ideal, aumentando o risco de consequências mais graves em caso de incidentes. A orientação é evitar essas localidades e caminhar um pouco mais até um local com maior proteção.

Publicidade


Apesar do esforço para minimizar o tempo de resposta a casos de emergência, o trabalho mais intenso ainda é o preventivo e de orientação das pessoas que buscam curtir a praia. Nesse período, já foram realizadas pelos bombeiros 70.774 orientações a veranistas, informando os melhores locais de banho e as medidas de segurança, por exemplo.


Em praias lotadas, como está sendo o caso no Paraná nesta temporada, não é incomum ouvir o apito dos guarda-vidas, chamando a atenção de pessoas que estão se colocando em risco. As advertências, que podem ser sonoras ou não, feitas pelos bombeiros no Verão Maior Paraná, chegam a 29.295. São casos em que os banhistas estão muito distantes da faixa de areia ou em zonas mais perigosas do mar.

Publicidade


“O Litoral vem recebendo um público extremamente grande, considerando as últimas temporadas. Isso demandou ampliação do nosso serviço. Tivemos um aumento de em torno de 150% nas orientações e advertências em relação ao ano anterior”, revelou o major Frazatto. “Isso demonstra que houve uma quantidade muito maior de pessoas presentes nesses locais aquáticos e que elas se colocaram em risco mais do que nas temporadas passadas”.


Para dar conta do aumento da demanda de serviço, o Corpo de Bombeiros tem no Litoral quase 800 pessoas voltadas para o atendimento emergencial e também para as ações informativas e preventivas. Mesmo assim, o trabalho tem sido incessante.

Publicidade


“Tivemos também um aumento significativo de salvamentos. Grande parte é de apoio de resgate, em que o guarda-vidas retira uma pessoa de uma área de risco, não necessariamente durante um processo de afogamento, mas essa pessoa está muito próxima de entrar em um processo de afogamento”, contou o major. “Então, ela precisou de ajuda, de uma intervenção nossa para que pudesse sair em segurança. Essas ações de retirada de pessoas em risco de afogamento subiram quase 40%, considerando a temporada passada”.


Outra parte do trabalho preventivo é a preocupação com as crianças, que em momentos de distração acabam se perdendo dos pais. Nessas primeiras semanas, foram localizadas, com a ajuda dos bombeiros, 367 meninos e meninas nessa situação. 

Publicidade


Para minimizar o problema e facilitar na procura, em caso de incidentes desse tipo, foram – e ainda estão sendo – distribuídas 6.273 pulseiras de identificação em toda a orla.


A atenção dos pais, no entanto, é fundamental. “O Corpo de Bombeiros reforça que os pais mantenham a guarda constante e a distância de no máximo um braço das crianças. Atenção a todo momento. As crianças não têm orientação espacial do ambiente e acabam se perdendo. Muitas vezes, percorrem grandes distâncias”, concluiu o comandante do 8º GB.


O Verão Maior Paraná reúne uma série de ações voltadas aos veranistas e moradores dos municípios do Litoral, além de Porto Rico e São Pedro do Paraná, no Noroeste. São atividades esportivas e de lazer que englobam aulas de ginástica, dança, caminhadas, recreação infantil, shows, torneios e competições nacionais e internacionais, programação inclusiva e educação ambiental.


Em caso de emergências, busque o guarda-vidas mais próximo ou ligue 193.


Imagem
Como cientistas sabem que 2023 é o mais quente em 125 mil anos
Mas, considerando que termômetros são uma invenção de alguns séculos atrás, como cientistas conseguem saber como era o clima há milênios?
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade